Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

TP
Futebol - Equipa principal

Jorge Jesus

  • 62 Anos
  • Data de nascimento 24 julho 1954
  • País Portugal

Está aqui

Biografia
Jorge Fernando Pinheiro de Jesus

A transição do Jorge Jesus jogador para o Jorge Jesus treinador não demorou e quase pareceu obra do acaso: quando actuava no Almancilense, da 3.ª Divisão, foi abordado pelo presidente do Amora. “Queres ser o nosso treinador?”. O médio, estupefacto, retorquiu: “Mas sabe, eu sou jogador”. “Eu sei, mas vi a forma como comandavas a equipa dentro de campo”, atirou o dirigente. No futebol, o segredo é ver o filme antes de ser rodado. Foi assim que o novo treinador do Sporting iniciou a carreira; é assim que se destaca na sua actual carreira; e será assim que continuará a liderar a sua carreira. Estar à frente dos outros, na forma de pensar e nos resultados que daí advêm, colocaram Jorge Jesus no topo do futebol nacional.

No total, entre esse início no Amora, na 3.ª Divisão, as subidas com o Felgueiras até à 1.ª Divisão e a Liga dos Campeões pelo Benfica (passou também por E. Amadora, V. Setúbal, V. Guimarães, Moreirense, U. Leiria, Belenenses, Sp. Braga), Jorge Jesus leva 935 jogos como treinador. É obra. E, aqui, de acaso não tem nada – quem privou mais de perto com o antigo médio reconhece que subiu a pulso pela força do trabalho nessa universidade da vida que se chama futebol. Como o pai, Virgolino, tantas vezes lhe fazia ver, “um homem tem aquilo que semeia”. E foi com essa ideia bem assente que o técnico foi subindo degraus até concretizar o grande objectivo de, um dia, treinar o Clube do seu coração: o Sporting. “O futebol não é um jogo onde se escolhe o Manuel e o Joaquim, vamos lá para dentro e está tudo feito. Não, não é isso. O futebol tem muita ciência e trabalho”, explicou um dia em conferência. E foi nesse sentido que falou na passada terça-feira de manhã, à chegada a Lisboa depois das férias. “Dia 1 de Julho estarei a trabalhar na Academia”. Jorge Jesus sabe muito bem que apenas no dicionário a palavra sucesso vem antes do trabalho.

Nascido em 1954, faz do dia e do mês em que nasceu um dos mandamentos na forma de estar no futebol: trabalhar, pensar, respirar e viver o jogo 24/7. Que é como quem diz, todas as horas durante a semana. Não é supersticioso mas tem muitas das características descritivas do seu signo, leão – orgulho, lealdade e dignidade. É com essa base que encara a máxima de que “o futebol não é uma ciência exacta, é a ciência de um treinador”. E assim criou a ‘sua’ ciência, inspirado na forma de pensar de Johan Cruijff, com quem estagiou em 1993 durante um mês, quando o holandês orientava o Barcelona. Do famoso ‘Dream Team’ catalão à memorável ‘Laranja Mecânica’ holandesa na década de 70, o futebol-espectáculo que os conjuntos imortalizaram na história da modalidade funcionou como farol numa cartilha que contou ainda com estágios na América do Sul (Brasil e Argentina) e com outros nomes como Leo Beenhakker, Arrigo Sacchi ou o falecido Telê Santana. Por cá, teve em dois ‘Manéis’, Oliveira e Sérgio, as suas inspirações. “Como jogador só queria saber de tácticas. Nunca tive dúvidas que chegaria a este nível”, comentou Manuel Oliveira. “Procurou-me não para saber mais mas para saber melhor”, destacou Manuel Sérgio. Descrito como um técnico genuíno, de emoções fortes, utiliza os adjuntos para funções específicas (acções defensivas e ofensivas, avaliando as movimentações de cada um dos sectores) e, de acordo com ex-comandados, não tem pejo em ser duro com os atletas quando assim se justifica, também por ser um ‘treinador jogador’ e não um ‘treinador de universidade’. “Não me considero um técnico duro, sou apenas louco pela perfeição”, argumentou um dia.

Mas é no conhecimento que entronca o segredo para a carreira de sucesso que o conduziu, nos últimos seis anos, a três Campeonatos, dez títulos e duas finais europeias. “A melhor forma de garantir uma boa liderança é o conhecimento”, salientou no percurso que fez na Luz, onde se destacou em questões ‘macro’ – como o bom rendimento a nível de dinâmica de equipa, porque “uma equipa só pode estar mal fisicamente se estiver mal tacticamente” – e ‘micro’, como a rentabilidade a nível de lances de estratégia e esquemas tácticos que decidiram encontros onde a transpiração não disfarçava a falta de inspiração. Em termos ofensivos e defensivos, acrescente-se. “Defender é uma arte e quando uma equipa não defende bem a culpa é do treinador”, justificou numa conferência enquanto técnico do Benfica.

Em termos tácticos, mais até do que as discussões entre o 4x4x2, o 4x3x3 ou o 4x2x4, Jorge Jesus defende que “o importante são os princípios de jogo enraizados nos treinos”. “O posicionamento táctico pode mudar mas esses princípios são sempre os mesmos. O sistema é o princípio de tudo, do modelo de jogo e do jogador. Depois vem a criatividade”, salientou em entrevista. Gosta de ambientes adversos e pesados que lhe fazem disparar a adrenalina para níveis em que se sente confortável e não abdica das famosas pastilhas elásticas de pêssego durante as partidas. Mais um pormenor num perfil norteado por três grandes pilares: a capacidade de liderança de um grupo; a facilidade em ler o jogo na sua preparação e antecipando o que pode acontecer durante o mesmo; e a comunicação com os jogadores, fazendo-os evoluir em termos pessoais e colectivos. Um dia, na inauguração da exposição da amiga, Jorge Jesus referiu na brincadeira que era “a Paula Rego do futebol”. É este o quadro do novo treinador do Sporting, que chega ao Clube do coração (a única exigência que fez nas negociações) com o intuito de pintar a ‘verde e branco’ um ciclo vitorioso.

Clubes anteriores

1989-1993: Amora FC
1993-1997: FC Felgueiras
1998: U. Madeira
1998-2000: Est. Amadora
2000-2001: V. Setúbal
2002-2003: Est. Amadora
2003-2004: V. Guimarães
2004-2005: Moreirense FC
2005-2006: UD Leiria
2006-2008: CF Os Belenenses
2008-2009: Sp. Braga
2009-2015: SL Benfica
2015: SPORTING CP

Prémios

Collective

3 - Portuguese League (2009/2010, 2013/2014 and 2014/2015)
1 - Portuguese Cup (2013/2014)
5 - Portuguese League Cup (2009/2010, 2010/2011, 2011/2012, 2013/2014 and 2014/2015)
2 - Portuguese Supercup (2014/2015 and 2015/2016, the last for SPORTING CP)
1 - UEFA Intertoto Cup (2008)
1 - Portuguese League 2B (1991/1992)

Diário Mensal

setembro

Dia 18: 5.ª jornada da Liga NOS, Rio Ave (fora): 1-3, D
Dia 14: 1.º jornada da Liga dos Campeões, Real Madrid (fora): 1-2, D
Dia 10: 4.ª jornada da Liga NOS, Moreirense (casa): 3-0, V

 

agosto

Dia 28: 3.ª jornada da Liga NOS, Porto (casa): 2-1, V
Dia 20: 2.ª jornada da Liga NOS, Paços de Ferreira (fora): 1-0, V
Dia 13: 1.ª jornada da Liga NOS, Marítimo (casa): 2-0,
 

dezembro

Dia 29: 1.ª jornada do grupo C da Taça da Liga CTT, P. Ferreira (casa): 3-1, V

Dia 20: 14.ª jornada da Liga NOS, U. Madeira (fora): 0-1, D

Dia 16: Oitavos-de-final da Taça de Portugal, Sp. Braga (fora): 4-3, a.p., D

Dia 13: 13.ª jornada da Liga NOS, Moreirense (casa): 3-1, V

Dia 10: 6.ª jornada do grupo H da Liga Europa, Besiktas (casa): 3-1, V

Dia 5: 12.ª jornada da Liga NOS, Marítimo (fora): 1-0, V

novembro

Dia 30: 11.ª jornada da Liga NOS (Belenenses, casa): 1-0, V

Dia 26: 5.ª jornada do grupo H da Liga Europa (Lokomotiv, fora): 4-2, V

Dia 21: 4.ª eliminatória da Taça de Portugal (Benfica, casa): 2-1 a.p., V

Dia 8: 10.ª jornada da Liga NOS (Arouca, fora): 1-0, V

Dia 5: 4.ª jornada do grupo H da Liga Europa (Skënderbeu, fora): 0-3, D

outubro

Dia 31: 9.ª jornada da Liga NOS (Estoril, casa): 1-0, V

Dia 25: 8.ª jornada da Liga NOS (Benfica, fora): 3-0, V

Dia 22: 3.ª jornada do grupo H da Liga Europa (Skënderbeu, casa): 5-1, V

Dia 17: 3.ª eliminatória da Taça de Portugal (Vilafranquense, fora): 4-0, V

Dia 4: 7.ª jornada da Liga NOS (V. Guimarães, casa): 5-1, V

Dia 1: 2.º jornada do grupo H da Liga Europa (Besiktas, fora): 1-1, E

setembro

Dia 26: 6.ª jornada da Liga NOS (Boavista, fora): 0-0, E

Dia 21: 5.ª jornada da Liga NOS (Nacional, casa): 1-0, V

Dia 17: 1.ª jornada do grupo H da Liga Europa (Lokomotiv, casa): 1-3, D

Dia 13: 4.ª jornada da Liga NOS (Rio Ave, fora): 2-1, V

agosto

Dia 30: 3.ª jornada da Liga NOS (Académica, fora): 3-1, V

Dia 26: 2.ª mão do 'playoff' de acesso à Champions (CSKA Moscovo, fora): 1-3, D

Dia 22: 2.ª jornada da Liga NOS (P. Ferreira, casa): 1-1, E

Dia 18: 1.ª mão do 'playoff' de acesso à Champions (CSKA Moscovo, casa): 2-1, V

Dia 14: 1.ª jornada da Liga NOS (Tondela, fora): 2-1, V

Dia 9: Final da Supertaça Cândido de Oliveira (Benfica, neutro): 1-0, V

maio

Dia 15: 34.ª jornada da Liga NOS, Sp. Braga (fora): 4-0 (V)

Dia 7: 33.ª jornada da Liga NOS, V. Setúbal (casa): 5-0, V

abril

Dia 30: 32.ª jornada da Liga NOS, FC Porto (fora): 3-1, V

Dia 23: 31.ª jornada da Liga NOS, U. Madeira (casa): 2-0, V

Dia 16: 30.ª jornada da Liga NOS, Moreirense (fora): 1-0, V

Dia 9: 29.ª jornada da Liga NOS, Marítimo (casa): 3-1, V

Dia 4: 28.ª jornada da Liga NOS, Belenenses (fora): 5-2, V

março

Dia 19: 27.ª jornada da Liga NOS, Arouca (casa): 5-1, V

Dia 12: 26.ª jornada da Liga NOS, Estoril (fora): 2-1, V

Dia 5: 25.ª jornada da Liga NOS, Benfica (casa): 1-0, D

fevereiro

Dia 29: 24.ª jornada da Liga NOS, V. Guimarães (fora): 0-0, E

Dia 25: 2.ª mão dos 16-avos-de-final da Liga Europa, Bayer Leverkusen (fora): 3-1, D

Dia 22: 23.ª jornada da Liga NOS, Boavista (casa): 2-0, V

Dia 18: 1.ª mão dos 16-avos-de-final da Liga Europa, Bayer Leverkusen (casa): 1-0, D

Dia 13: 22.ª jornada da Liga NOS, Nacional (fora): 4-0, V

Dia 8: 21.ª jornada da Liga NOS, Rio Ave (casa): 0-0, E

janeiro

Dia 30: 20.ª jornada da Liga NOS, Académica (casa): 3-2, V

Dia 26: 3.ª jornada do grupo C da Taça da Liga CTT, Arouca (fora): 1-0, V

Dia 23: 19.ª jornada da Liga NOS, P. Ferreira (fora): 3-1, V

Dia 19: 2.ª jornada do grupo C da Taça da Liga CTT, Portimonense (fora): 2-0, D

Dia 15: 18.ª jornada da Liga NOS, Tondela (casa): 2-2, E

Dia 10: 17.ª jornada da Liga NOS, Sp. Braga (casa): 3-2, V

Dia 6: 16.ª jornada da Liga NOS, V. Setúbal (fora): 6-0, V

Dia 2: 15.ª jornada da Liga NOS, FC Porto (casa): 2-0, V