Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Está aqui

LONDRES – 29 de Julho a 14 de Agosto de 1948

Álvaro Dias (Atletismo) – 16.º lugar no salto em comprimento

Medalha de ouro: Willie Steele (EUA, 7.825)

João Vieira (Atletismo) – 17.º lugar no triplo salto

Medalha de ouro: Arne Ahman (Suécia, 15.4)

Nuno Morais (Atletismo) – 6.º lugar da Série 1 de apuramento dos 100 metros

Medalha de ouro: Harrison Dillard (EUA, 10.3)

Nuno Morais (Atletismo) – 3.º lugar na Série 3 da 1.ª eliminatória dos 200 metros

Medalha de ouro: Mel Patton (EUA, 21.1)

Coragem é a palavra mais vezes empregue em relação aos Jogos Olímpicos de 1948: com o Mundo ainda a recuperar das feridas abertas pela 2.ª Guerra Mundial, com Alemanha e Japão fora dos presentes por não terem sido convidados (a URSS não foi por opção), a capital inglesa engalanou-se, dentro dos constrangimentos económicos resultantes dos longos anos de batalhas, para as primeiras Olimpíadas com cobertura televisiva.

Foi tudo honesto, sem grandes figuras a emergirem mas com resultados satisfatórios, sobretudo na natação. Álvaro Dias, jogador de futebol que passou para o atletismo numa altura em que andava a fazer treinos à experiência no Sporting e que foi treinado por Moniz Pereira, foi o melhor atleta ‘leonino’ com um 16.º lugar no salto em comprimento. A edição ficou também marcada por uma prata (vela) e um bronze (hipismo) para Portugal.

A figura dos Jogos de 1948: Fanny Blankers-Koen

A 28 de Julho de 1948, Fanny Blankers-Koen tinha 30 anos, era casada e tinha dois filhos. A 14 de Agosto de 1948, Fanny Blankers-Koen tinha 30, era casada, tinha dois filhos e quatro medalhas de ouro olímpicas (100m, 200m, 80m barreiras e 4x100m). Durante essas três semanas, a holandesa tornou-se um ícone ao fazer ouvidos de mercador a quem, por um lado, dissera que era velha, e, por outro, a aconselhara a ficar em casa a tomar conta das crianças. Afinal, ficou para a história como a “Dona de casa Voadora”

A história dos Jogos de 1948: Micheline Ostermeyer

Sobrinha-neto do escritor francês Victor Hugo, Micheline viveu na Tunísia durante a II Guerra Mundial depois de ter estado no Conservatório de Paris, descobrindo aí o gosto pelo desporto. Passou pelo basquetebol, mas foi no atletismo que encontrou o tom certo para a sua carreia, vencendo vários títulos nacionais em diferentes categorias. Nos Jogos de 1948, ganhou a medalha de ouro no lançamento do peso e do disco, além do bronze no salto em altura. Completada a missão, deu um concerto de Beethoven na Aldeia Olímpica e acabou a tocar no Royal Albert Hall...

Os mais medalhados dos Jogos de 1948

EUA: 84 medalhas (38 ouros, 27 pratas e 19 bronzes)

Suécia: 44 medalhas (16 ouros, 11 pratas e 17 bronzes)

França: 29 medalhas (10 ouros, 6 pratas e 13 bronzes)