Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Está aqui

SIDNEY – 15 de Setembro a 1 de Outubro de 2000

Mercy Nku (Nigéria) – 7.º lugar na estafeta dos 4x100 metros (44.05)

Medalha de ouro: Bahamas (41.95)

Carlos Calado – 10.º lugar no salto em comprimento (7.94)

Medalha de ouro: Iván Pedroso (Cuba, 8.55)

Teresa Machado – 11.º lugar no lançamento do disco (59.50)

Medalha de ouro: Ellina Zvereva (Bielorrússia, 68.40)

Valentina Fedyushina (Áustria) – 12.º lugar no lançamento do peso (17.14)

Medalha de ouro: Yanina Korolchik (Bielorrússia, 20.56)

Manuel Silva – 13.º lugar nos 3.000 metros obstáculos (8.38.63)

Medalha de ouro: Reuben Kosgei (Quénia, 8.21.43)

Mercy Nku (Nigéria) – 5.º lugar na Série 1 das meias-finais dos 200 metros (23.40)

Medalha de ouro: Não atribuída (retirada a Marion Jones, EUA)

Francis Obikwelu (Nigéria) – 7.º lugar da Série 1 das meias-finais dos 200 metros (20.71)

Medalha de ouro: Konstantinos Kenteris (Grécia, 20.09)

Mercy Nku (Nigéria) – 7.º lugar na Série 2 das meias-finais dos 100 metros (11.56)

Medalha de ouro: Não atribuída (retirada a Marion Jones)

José Couto – 18.º lugar nos 100 metros bruços (1.02.79)

Medalha de ouro: Domenico Fioravanti (Itália, 1.00.46)

João Pires – 5.º lugar na Série 5 da 1.ª Eliminatória dos 800 metros (1.47.61)

Medalha de ouro: Nils Schumann (Alemanha, 1.45.08)

Silvester Omadiale (Nigéria) – 7.º lugar na Série 3 da 1.ª Eliminatória dos 400m barreiras (51.06)

Medalha de ouro: Angelo Taylor (EUA, 47.50)

Delfina Joaquim (Angola) – 7.º lugar da Série 4 da 1.ª Eliminatória dos 800 metros (2.15.02)

Medalha de ouro: Maria Mutola (Moçambique, 1.56.15)

Naide Gomes (São Tomé e Príncipe) – 8.º lugar na Série 4 da 1.ª Eliminatória nos 100m barreiras (14.43)

Medalha de ouro: Olga Shishigina (Cazaquistão, 12.65)

Ana Dias – 12.º lugar na Série 2 da 1.ª Eliminatória dos 10.000 metros (33.21.69)

Medalha de ouro: Derartu Tulu (Etiópia, 30.17.49)

Rui Silva – 13.º da Série 3 da 1.ª Eliminatória dos 1.500 metros (3.41.93)

Medalha de ouro: Noah Ngeny (Quénia, 3.32.07)

Hélder Ornelas – 17.º lugar na Série 1 da 1.ª Eliminatória dos 5.000 metros (14.29.01)

Medalha de ouro: Million Wolde (Etiópia, 13.35.49)

Patience Itanyi (Nigéria) – 25.º lugar no salto em comprimento (6.33)

Medalha de ouro: Heike Drechsler (Alemanha, 6.99)

José Couto – 26.º lugar nos 200 metros bruços (2.18.08)

Medalha de ouro: Domenico Fioravanti (Itália, 2.10.87)

João André – 29.º lugar no salto com vara (5.40)

Medalha de ouro: Nick Hysong (EUA, 5.90)

Vítor Costa – 37.º no lançamento do martelo (68.89)

Medalha de ouro: Szymon Ziolkowski (Polónia, 80.02)

Foram 17 atletas de cinco países em duas modalidades que tiveram uma prestação briosa em Sidney, numa edição dos Jogos onde a grande figura, Marion Jones, acabou por se transformar numa gigante com pés de barro, vendo retiradas todas as medalhas ganhas devido ao consumo de substâncias dopantes.

Mercy Nku, velocista que foi uma dos quatro atletas nigerianos presentes na Austrália, conseguiu uma final na estafeta de 4x400 metros (sétimo lugar), ao passo que Carlos Calado e Teresa Machado foram dois dos melhores elementos da comitiva nacional, que somou duas medalhas de bronze por Fernanda Ribeiro (10.000 metros) e Nuno Delgado (judo, -81kg). Nota também para o 18.º lugar de José Couto nos 100 metros bruços, muito próximo de uma histórica passagem às meias-finais da prova.

A figura dos Jogos de 2000: Steve Redgrave e Ian Thorpe

Não há duas sem três. Nem quatro sem cinco. Steve Redgrave acabara de ganhar de conquistar o ouro em Atlanta, retirou-se – “se alguém me vir próximo de um barco, que me dê um tiro!”, disse – mas o ‘bichinho’ de fazer história falou mais alto. Tanto que ganhou mesmo a quinta medalha em Sidney, um ano antes de se tornar o primeiro atleta britânico a ganhar o título de Sir. Redgrave é ainda hoje um monstro sagrado do desporto britânico e mundial (até fisicamente, porque chegou a pesar mais de cem quilos) e, já fora de água, entretém-se a... correr maratonas. Já Ian Thorpe, a outra figura dos Jogos de 2000, teve um final de carreira mais complicado e envolvendo depressões após o sucesso alcançado sobretudo nesta edição das Olimpíadas: tinha a alcunha de Torpedo e, a nadar na sua cidade, à excepção dos 200 metros livres e dos 4x100m estilos, onde se contentou com a prata, o jovem australiano (tinha 17 anos na altura) ganhou três medalhas de ouro, todas com recorde do mundo – 400 metros livres, 4x100m livres e 4x200m livres. Thorpe foi o atleta com mais medalhas nos Jogos Olímpicos de 2000 e, como prémio, transportou a bandeira na cerimónia de encerramento. Ganharia ainda mais quatro medalhas (dois ouros, uma prata e um bronze).

A história dos Jogos de 2000: Eric Moussambani

O nadador da Guiné Equatorial, conseguiu estabelecer um novo recorde nacional nos 100 metros livres nos Jogos de Sidney. Com uma pequena nuance: demorou mais do dobro do que o melhor da prova e no final quase lhe faltaram as forças. Ou pior – demorou mais tempo do que a média dos nadadores nos 200 metros. Mas percebe-se, afinal Eric Moussambani nunca tinha entrado numa piscina de 50 metros (treinava numa de 20 metros de um hotel) e iniciara-se na natação a oito meses do evento. Daí para cá, os ‘wild cards’ na natação foram revistos.

Os mais medalhados dos Jogos de 2000

EUA: 93 medalhas (37 ouros, 24 pratas e 32 bronzes)

Rússia: 89 medalhas (32 ouros, 28 pratas e 29 bronzes)

China: 58 medalhas (28 ouros, 16 pratas e 14 bronzes)