Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Está aqui

PEQUIM – 8 a 24 de Agosto de 2008

Francis Obikwelu – 6.º lugar na Série 2 das meias-finais dos 100 metros

Medalha de ouro: Usain Bolt (Jamaica, 9.69)

Vladimir Stojkovic – 12.º lugar no futebol

Medalha de ouro: Argentina

Edivaldo Monteiro – 6.º lugar na Série 1 da 1.ª Eliminatória dos 400m barreiras (49.89)

Medalha de ouro: Angelo Taylor (EUA, 47.25)

Carmo Tavares – 6.º lugar na Série 6 da 1.ª Eliminatória dos 800 metros (2.01.91)

Medalha de ouro: Pamela Jelimo (Quénia, 1.54.87)

Sílvia Cruz – 24.º lugar no lançamento do dardo (57.06)

Medalha de ouro: Barbora Spotáková (Rep. Checa, 71.42)

Naide Gomes – 31.º lugar no salto em comprimento (6.29)

Medalha de ouro: Maurren Maggi (Brasil, 7.04)

Clarisse Cruz – 15.º lugar da Série 1 da 1.ª Eliminatória dos 3.000 obstáculos (9.49.45)

Medalha de ouro: Gulnara Samitova-Galkina (Rússia, 8.58.81)

Marco Fortes – 38.º lugar no lançamento do peso (18.05)

Medalha de ouro: Tomasz Majewski (Polónia, 21.51)

Arnaldo Abrantes – 8.º lugar da Série 2 da 1.ª Eliminatória dos 200 metros (21.46)

Medalha de ouro: Usain Bolt (Jamaica, 19.30)

Os 132 recordes olímpicos e 43 recordes mundiais apontam para uma edição com grandes resultados desportivos, mas a verdade é que, à excepção de Nélson Évora (que venceu a medalha de ouro no triplo salto), a delegação nacional não conseguiu uma prestação como a de Atenas (bem longe disso).

Francis Obikwelu, atleta mais cotado entre os Sportinguistas (que só estiveram no atletismo e no futebol, com o guarda-redes Stojkovic), acabou por não passar das meias-finais dos 100 metros no ‘Ninho de Pássaro’, uma obra arquitectónica que por si só valorizou, e muito, a organização dos terceiros na Ásia depois de Tóquio e Seul

A figura dos Jogos de 2008: Michael Phelps e Usain Bolt

Entre os milhares de participantes, bastaram dois para fazer a festa, não só pelos feitos desportivos mas também pela grande empatia que criaram junto dos milhares de fãs que estiveram em Pequim (fora os milhões agarrados à TV): Michael Phelps e Usain Bolt. A ‘Bala de Baltimore’ fez aquele que todos consideravam ser impossível – depois das seis medalhas de ouro em Atenas, somou mais oito... noutras tantas provas (200m livres, 100m mariposa, 200m mariposa, 200m estilos, 400m estilos, 4x100m livres, 4x200m livres e 4x100m estilos), quase todas estabelecendo novos recordes do Mundo. Já o ‘Relâmpago’ jamaicano provou que o homem ainda está à procura dos seus limites, como se viu com os novos recordes mundiais nos 100, 200 e 4x100 metros. Alguém imaginava que seria possível fazer os 100 metros em 9.69? Bolt provou que era possível. E um ano depois, em Berlim, conseguiu baixar mais um pouco a marca para 9.58.

A história dos Jogos de 2008: Matthias Steiner

Matthias Steiner nunca teve uma vida fácil: primeiro foram os problemas de diabetes que quase lhe retiraram o sonho de ser halterofilista; depois, as chatices com os treinadores da federação da Áustria, que o levaram a pedir a cidadania alemã (país pelo qual passou a competir); por fim, a morte da mulher num acidente de viação, em 2007. E assim se pode explicar melhor a reacção emocionada de Steiner quando, nos Jogos de Pequim, ganhou o ouro com o levantamento à primeira de 258kg. Sempre com a foto da mulher por perto

Os mais medalhados dos Jogos de 2008

EUA: 110 medalhas (36 ouros, 38 pratas e 36 bronzes)

China: 100 medalhas (51 ouros, 21 pratas e 28 bronzes)

Rússia: 73 medalhas (23 ouros, 21 pratas e 29 bronzes)