Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Sporting Olympics - Rio 2016 - Tóquio 2020

Gonçalo Carvalho

  • 37 Anos Dressage
  • Data de nascimento 01 abril 1982 175 cm | 67 kg
  • País Portugal

Está aqui

Biografia
Gonçalo Miguel Carvalho Conchinhas

Gonçalo Carvalho sempre se viu rodeado de cavalos mas, por razões de saúde, nem sempre se pôde aproximar deles; até ao dia em que decidiu contrariar o pai. “Sou asmático, por isso não podia montar quando era pequeno. Tinha grandes crises por causa do pó do feno e dos pêlos dos cavalos, mas ao fim de uns anos comecei a montar às escondidas do meu pai e nunca mais tive uma crise, até hoje. Acho que foi a paixão que me curou”, conta o cavaleiro, que vem de uma família ligada ao desporto: o avô materno era profissional, tal como o tio, na variante de obstáculos, e o pai, além da paixão pelos cavalos, também jogou futebol.

O mundo dos cavalos não é feito de facilidades e o do desporto muito menos, portanto não é de estranhar que a vida de Gonçalo Carvalho esteja envolta em trabalho. O treino ocupa-lhe a maior parte do tempo, no entanto, o mesmo animal não deve ser treinado mais do que uma vez por dia. Assim, o ‘leão’ tem tempo para outras actividades ligadas ao mundo da equitação, já que um atleta de dressage “não consegue viver só da competição”: desde treinar cavalos entregues por outras pessoas até a aulas no estrangeiro, Gonçalo Carvalho não pára. “Por exemplo, muitas vezes, vou à sexta-feira à noite para um país da Europa dar aulas e volto no domingo. Vou começar a ir para o Dubai e para a Austrália, também”, explica o atleta, que fez história ao participar nos Jogos Olímpicos de 2012.

Com os Jogos Olímpicos de 2016 sempre em mente, o cavaleiro concentra-se nas provas internacionais, que permitem conquistar pontos para o levar até ao Rio de Janeiro. Os resultados têm sido positivos: em 2015, Gonçalo brilhou com um histórico terceiro lugar em Hartpury, Inglaterra, já depois de ter conseguido uma pontuação de 77%, em França, “um resultado extraterrestre na dressage mundial”. No Europeu de Aachen teve mais uma boa prestação (23.º no GP, com 70,557%; 15.º no GP Especial, com 71,148%; e 13.º no GP Freestyle, com 72,768%), assim como na Taça do Mundo de Estugarda, onde foi oitavo e alcançou a sua melhor marca do ano (76,125%).

Ainda assim, o cavaleiro não descurou as provas nacionais e voltou a sagrar-se campeão português, em Ponte de Lima. “É sempre um orgulho ser campeão nacional. Damos toda a importância e valor ao Campeonato português e foi bom porque, na minha opinião, Ponte de Lima é o melhor lugar em Portugal para provas de dressage e porque estiveram três juízes internacionais a julgar as provas”, explica.

Embora Gonçalo Carvalho esteja a alcançar grandes sucessos no panorama internacional, a dressage nacional não está ao nível de países como Holanda, Inglaterra ou Alemanha. Ainda assim, o futuro pode ser sorridente. “A dressage está a evoluir muito no nosso País. Desde que fui aos Jogos Olímpicos em Londres, que a modalidade tem sido muito mais promovida e está em franco crescimento. Comparado com há dois anos, as pessoas têm evoluído imenso a nível técnico e na forma de montar. Há mais investimento nesse sentido e os cavaleiros têm mais aulas para melhorarem”, afirma. Para isso, de muito valeu a boa prestação do ‘leão’ nos Jogos Olímpicos de 2012, onde conseguiu um 16.º lugar entre 50 participantes e catapultou os Puro Sangue Lusitanos para uma posição de maior valor e notoriedade. “Antes, estar num Lusitano ao lado de concorrentes internacionais era como estar num Mini a competir com Ferraris. Agora, já há respeito e consideração. E, daqui a um ano, a Batuta pode fazer ainda mais estragos, no bom sentido”, confessa.

Sem esconder que já ponderou sair para o estrangeiro para melhorar o seu nível, Gonçalo Carvalho assume-se orgulhoso pelos resultados que tem conseguido obter sem deixar Portugal e... o Sporting. “É o meu Clube desde que nasci. É uma responsabilidade grande e um orgulho enorme representar o Sporting, mas tenho a certeza de que vou conseguir óptimos resultados e honrar o meu Clube”, diz. Vontade não lhe falta. Qualidade também não. E ambição? “Quero ser o melhor do Mundo e acredito que tenho condições para isso. É o meu sonho e vou lutar por ele”, responde, confiante.

Prémios

Bi campeão de Dressage de Portugal

16º lugar JO Londres 2012

11º individual Campeonato Europeu 2015, 2013

21º ranking mundial FEI