Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Sporting Paralympics - Rio 2016 - Tóquio 2020

Simone Fragoso

  • 39 Anos Natação
  • Data de nascimento 29 agosto 1980 |
  • País Portugal

Está aqui

Biografia
Simone Silva Machado Fragoso

O livro que estava a ler em Março de 2015 vem a calhar para a conversa. “‘Conversas com Deus’, uma trilogia que nos abre outras perspectivas sobre o Mundo. Sou católica mas não vou sempre à missa. Ser religioso não significa que se tenha de ir à missa, mas sim ter fé, acreditar. Se não tivesse fé não estava aqui hoje”. Nem estaria em Alvalade, nem teria ganho seis medalhas em competições internacionais ou batido sete recordes nacionais.

Simone enche a sala de boa disposição com as mil e uma histórias que tem para contar. E começa como mandam as regras, pelo início. “Sou nadadora há dez anos. O factor decisivo foram os Jogos Paralímpicos de Atenas, em 2004. Vi todos aqueles atletas paralímpicos cheios de medalhas ao pescoço, na chegada a Lisboa, e disse à minha mãe que ia começar na natação. Ela disse-me para estar quieta”, lembra. Uma resposta que não deixa de ser curiosa vinda de quem Simone apelida de ‘super-mãe’, aquela que a “tirou de casa para conhecer o Mundo”. Começou na Naval Setubalense, onde permaneceu dois anos, mudando-se depois para o Benfica. Nos últimos dois anos antes de chegar a Alvalade competiu individualmente, uma decisão com prós... e contras. “Competir por conta própria é bom mas também tem as suas desvantagens. Por exemplo, as provas nacionais são pagas por mim. Representar um Clube – ainda por cima o meu Sporting – dá sempre outro suporte aos objectivos”. A meta era atingir a ‘Cidade de Deus’, o Rio de Janeiro. Curiosamente, a cidade preferida da nadadora. E conseguiu. “Tinha dito que os Jogos de Londres eram os últimos, inclusivamente a minha mãe foi lá para me apoiar por pensarmos que não iria mais. Por mais estranho que pareça, foi a selecção brasileira que me convenceu a continuar. Diziam-me: ‘Simone como é que vais deixar a Selecção precisamente antes dos Jogos realizados na cidade que mais adoras? Não podes desistir já’”, conta a setubalense. Pela natação, já esteve no Rio três vezes. Optou por continuar e preparar a competição porque não queria perder a oportunidade de mais uma visita à Cidade Maravilhosa. “Já fui a várias cidades, mas o Rio foi a que mais me encantou, pelas pessoas, principalmente. Parece que estamos numa novela. Quando vou a palestras convido sempre os presentes a irem lá. As pessoas vivem um dia de cada vez. Recebem o ordenado hoje e é logo para gastar, amanhã logo se vê”, explica.

Entre as ‘Conversas com Deus’ e a ‘Cidade de Deus’, há um caminho a percorrer na Terra. Começou por mudar as cores do seu equipamento para verde e branco no final de Fevereiro e, apesar da distância entre o Multidesportivo de Alvalade e Palmela, onde mora, não está arrependida da decisão. Bem pelo contrário. “É caso para dizer que faço piscinas mesmo antes de nadar. Tenho patrocinadores privados que me apoiam nas despesas e inclusive no local de treino, como acontece com o Palmela Desporto, uma empresa privada que me permite que também treine nas suas instalações. Quando venho ao nosso Complexo, treino com a equipa de trissomia 21; quando fico em Palmela, nado sozinha. Estou mais à vontade lá porque aqui tenho de acompanhar o ritmo dos restantes membros da equipa, que é maior do que o meu. Mas ao mesmo tempo puxam por mim. Ainda não estou habituada, mas com o tempo chego lá”.

Treina de segunda a sábado. Vai à piscina uma vez por dia e, quando fica em Palmela, ainda faz crossfit pela tarde. Mas a vida não se cinge apenas a treinos, ou não estivéssemos a falar de uma senhora com três cursos universitários e, em 2015, já estava a caminho do quarto. “Tirei a licenciatura de Animação e Teatro e de Educação Musical, e também o mestrado em música. Não trabalho porque faço aquilo que gosto, que é nadar. Sou campeã de natação e só tenho um metro, imaginem se tivesse dois”, brinca. Na música, a bateria é o seu habitat natural. “Gostava muito do Phil Collins [ex-baterista dos Genesis]. Mas também gosto muito de Ray Charles...”, conta. “‘Hit the road Jack, and don’t you come back no more, no more, no more, no more’”, canta, de repente, acompanhada de um piano imaginário em que se tornou a mesa que se encontrava à sua frente. Constata-se um facto: existe arte e engenho, quer para a animação, quer para a música. Mas não se fica por aqui. Há ainda espaço para passear o ‘cavalo’. “Tenho um labrador em casa. Quando era mais novo ainda conseguia ir passeá-lo sozinha, mas agora está maior do que eu e já tenho de ir com o meu primo”, conta, plena de boa disposição.

A natação permitiu-lhe conhecer inúmeros sítios e pessoas, a quem a boa disposição da nadadora não deixou indiferente, como de resto se viu na atitude da selecção brasileira, que insistiu para que fosse aos Jogos do Rio de Janeiro. “Como dizia um músico brasileiro chamado Cazuza, ‘o importante na vida não é somar, mas sim multiplicar’. Sou assim, vou a qualquer lado, dou um pontapé numa pedra e já fiz um amigo. Tenho-os em toda a parte e, claro, também no nosso País. Sou a alegria da Selecção Nacional, atiro os foguetes e apanho as canas. Sou a mascote da equipa. Nas grandes competições internacionais, há momentos em que as pessoas sentem saudade dos familiares e amigos e estes momentos são importantes para galvanizar”, diz. Em suma, aspectos a lamentar em 34 anos de vida, apenas um: não ter começado mais cedo na natação – iniciou-se aos 24 anos. Quanto ao futuro, à excepção do curso nível um de natação e do mestrado em Sociologia do Desporto que irá tirar, as restantes decisões ficarão para depois das ‘Conversas com Deus’ e da ‘Cidade de Deus’. Aliás, há até quem diga que o futuro a Ele pertence.

Clubes anteriores
2005-2008 Naval Setubalense
2008-2012 Benfica
2012-2014 Individual
2014- Sporting CP
Prémios

Medalha de prata no Campeonato do Mundo de 2006

Medalha de prata no Europeu de 2007

10.º lugar nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008

3 medalhas de ouro no campeonato do mundo de nanismo em 2008

Medalha de bronze no campeonato da europa em 2009

4.º lugar no campeonato do mundo em 2010

4.º lugar no campeonato da europa em 2011

7.º lugar nos Jogos Olímpicos em 2012

5.º lugar no Campeonato do Mundo em 2013

3.º lugar no Meeting da Croácia em 2016