Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Futsal

Foto José Cruz

Apoio na chegada a Lisboa

Por Jornal Sporting
23 Abr, 2018

Regresso de Saragoça marcado por mensagens de carinho no aeroporto

O avião que trouxe a equipa de futsal do Sporting Clube de Portugal aterrou pouco depois das 20h desta segunda-feira no aeroporto da Portela, surgindo os jogadores na zona de saída em direcção ao autocarro que transportaria a equipa até Alvalade. A comitiva liderada pelo Presidente Bruno de Carvalho, acompanhado por Rui Caeiro, elemento do Conselho Directivo, surgiu naturalmente de rostos fechados, mas não deixaram de receber palavras de incentivo dos adeptos presentes àquela hora. Ouviram-se palmas e palavras de incentivo dadas aos jogadores. A equipa não falou à comunicação social mas trocou palavras de agradecimento com os apoiantes que faziam questão de incentivar os atletas.

Apesar do troféu mais desejado, o título europeu da modalidade, ter escapado por pouco, o orgulho no percurso dos Leões era evidente. Recorde-se ainda que o Sporting CP conseguiu ultrapassar duas fases de grupo e ainda as meias finais da final four, num percurso que somou sete jogos, todos vitoriosos, até chegar à final, sagrando-se vice-campeão europeu. O foco vira-se agora para as provas domésticas, nas quais a equipa ainda se encontra na luta pela conquista de campeonato e Taça de Portugal, tendo já agendada para o próximo dia 29, a recepção ao Belenenses no Pavilhão João Rocha, a contar para a 25ª jornada da Liga Sport Zone.

Foto César Santos

"O resultado espelha o que foi a nossa não-eficácia"

Por Jornal Sporting
23 Abr, 2018

Nuno Dias lamentou os erros estratégicos cometidos frente ao Inter Movistar, mas garantiu estar orgulhoso do esforço dos jogadores do Sporting CP

Após o apito final no deslize do Sporting CP frente ao Inter Movistar (5-2), na final da UEFA Futsal Cup, a segunda consecutiva para as duas formações, Nuno Dias reconheceu mérito ao adversário, mas deixou elogios ao plantel verde e branco.

"Acho que o Inter venceu com justiça, foram melhores. Estou triste com o resultado, como toda a equipa, mas orgulhoso com aquilo que foi a prestação e o esforço dos meus jogadores", começou por dizer o treinador leonino, acrescentando que o "resultado espelha o que foi a nossa não-eficácia".

O maior entrave ao sucesso europeu acabou por estar "ao nível da estratégia", que "falhou", uma vez que os leões não conseguiram "defender bem alguns aspetos individuais do Inter", explicou o técnico do Sporting CP, que deixou fortes críticas aos árbitros da partida.

"Hoje, o Inter foi melhor e não tem nada a ver com a arbitragem. O que estou a dizer é que a dualidade com que arbitram e o critério é uma vergonha", concluiu.

Foto César Santos

Sonho europeu adiado

Por Jornal Sporting
23 Abr, 2018

Leões deixaram a pele em campo, mas não conseguiram derrotar o Inter Movistar na final da UEFA Futsal Cup

Charlie Chaplin, que dispensa apresentações, disse um dia que "a vida é uma peça de teatro que não permite ensaios". Pelo meio do seu célebre pensamento, incentivou cada um a viver de forma intensa cada momento, "antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos". Foi este, no fundo, o sentimento de quem viveu este domingo a final da UEFA Futsal Cup, que terminou com a vitória do Inter Movistar frente ao Sporting CP (5-2), no pavilhão Príncipe Filipe, em Saragoça. Até porque a cortina se fechou mesmo sem os tão desejados (e merecidos) aplausos.

Sim, a vida é injusta. Já sabíamos. Sim, a bola é redonda, não há como contrariar a afirmação. Mas ninguém pode negar que a campanha verde e branca na prova de futsal mais importante de clubes acabou por ser inglória. Falamos de uma formação, liderada pelo míster Nuno Dias, que depois de uma fase inicial (Main Round e Elite Round) exemplar, assim como tantas outras anteriormente, voltou a cair aos pés do conjunto espanhol (já vão no quinto título) pelo segundo ano consecutivo.

Apesar de todas as lágrimas naturais de uma conquista perdida, quando o esperado eram sorrisos, podemos garantir-lhe, caro leitor, que sim, o Sporting CP caiu, mas caiu de pé! Até porque tendo em conta o Esforço, Dedicação e Devoção destes jogadores e respectiva equipa técnica, não temos dúvidas de que o sonho europeu ficou adiado para um novo formato a começar já na próxima temporada.

Balde de água fria num sonho antigo

André Sousa. Pedro Cary. João Matos. Merlim. Dieguinho. Estes foram os cinco leões que deram o pontapé de saída na final da UEFA Futsal Cup. Merlim fez o primeiro disparo, ainda com 40 segundos de jogo decorridos, mas o remate saiu fraco. Seguiu-se a vez do Inter, com André Sousa a ter de sujar os calções pela primeira vez. Defesa atenta, mas segura do internacional português.

Dois minutos de jogo, a primeira contrariedade: cartão amarelo para Merlim, que depois de ter perdido a bola, numa altura em que era o último homem, foi obrigado a parar Gadeia em falta. Elisandro cobrou o livre, com a bola a sair perto do poste direito da baliza verde e branca. No banco de suplentes, o míster Nuno Dias respirou de alívio, mas por pouco tempo. É que Elisandro voltou à carga, num lance individual, em que passou por João Matos e André Sousa, mas a bola perdeu-se pela linha de fundo.

A resposta não tardou. Merlim lançou longo e uma bicicleta de Dieguinho (belo gesto técnico, depois de ter parado o esférico com o peito) obrigou Jesús Herrero a uma grande tirada. A falta de sorte não ficou por aqui, já que uma desatenção leonina permitiu a Gadeia inaugurar o marcador aos 3'. O Inter manteve-se à carga e Ricardinho levou a bola a embater com estrondo na barra, após um remate de meia distância, em zona frontal. Dieguinho tentou chutar para conto o rumo dos acontecimentos, mas sem a melhor pontaria (4').

O jogo prosseguiu com os espanhóis a manterem a toada e os leões a responderem a espaços. Até que a sorte sorriu: Merlim trabalhou na esquerda, levantou a cabeça e assistiu Cavinato ao segundo poste da baliza, que só teve de encostar para o empate (8'). Uma igualdade que André Sousa defendeu com o peito, após um canto estudado do Inter (9'). Não chegou, já que Ricardinho colocou o marcador em 2-1 com um potente remate do meio da quadra poucos tempo depois.

Dieguinho voltou a ter mais um 'crédito' aos 12', mas acertou no poste. Pany também viu uma bola sua ser cortada na linha de golo. Como quem não marca sofre, já dizia o ditado, Elisandro encheu o pé para o terceiro dos espanhóis - André Sousa nada podia fazer. O Sporting reagiu e até podia ter uma oportunidade para reduzir a desvantagem aos 17', mas o árbitro da partida não viu (ou não quis) assinar uma grande penalidade clara sobre Dieguinho, derrubado em falta dentro da área contrária.

Ao intervalo, a vantagem de dois golos premiava a eficácia do Inter, perante a falta de acerto do Sporting CP, que sofreu um novo golpe logo a começar o segundo tempo (23'). Merlim escorregou e Rafael aproveitou para aumentar a contagem (4-1). Pany Varela e Dieguinho tiveram duas oportunidades para reduzir a diferença, mas o guardião Jesús Herrero acabou sempre por ficar a sorrir no fim. Diogo, um dos mais inconformados, não mandou a toalha ao chão e, já depois de ter deixado Ricardinho pregado ao chão, atirou cheio de intenção, com a bola a ser desviada por um 'molho' de pernas adversárias.

Em sentido contrário, Marcão ia negando, como podia, as intenções dos espanhóis. Até que Diogo fez renascer a esperança aos 37', com um remate potente em zona frontal. Numa altura em que o 5x4 verde e branco encostava o Inter às cordas, Dieguinho teve nos pés o 4-3, mas falhou o alvo, assim como Divanei momentos antes.

Um soco no estômago que ainda teve direito a um balde de água fria: a poucos segundos do fim, Pola apontou o quinto da partida, selando o resultado final em 5-2. Para a história, fica ainda a medalha de segundo lugar... com sabor amargo!

Foto César Santos

União de aço e um só pensamento: vencer

Por Jornal Sporting
22 Abr, 2018

Sporting CP realizou este domingo de manhã o último treino antes da final da UEFA Futsal Cup frente ao Inter Movistar

Focados. Foi desta forma que a equipa de futsal do Sporting CP pisou esta manhã a quadra do pavilhão Príncipe Filipe, em Saragoça, onde ao final do dia vão defrontar o Inter Movistar na final da UEFA Futsal Cup (19h em Portugal continental).

Para este último treino antes da discussão do tão ambicionado título, o míster Nuno Dias contou com todo o plantel à sua disposição, sendo evidentes os elevados níveis de concentração da equipa verde e branca durante a sessão de trabalhos.

Recorde-se que esta é a terceira vez que os leões estão na final da prova europeia, depois de terem sido finalistas em 2011 e 2017.

Foto César Santos

O sonho ao virar da quadra

Por Jornal Sporting
21 Abr, 2018

Leões medem forças este domingo com o Inter Movistar na final da UEFA Futsal Cup

Que à terceira seja de vez. É este o sentimento na equipa do Sporting CP, que se encontra a poucas horas de disputar novamente (já o fez em 2011 e 2017) o título da UEFA Futsal Cup frente ao Inter Movistar (domingo, às 19h em Portugal Continental).

De forma a ultimar os preparativos para o duelo europeu, os leões realizaram esta tarde um treino na quadra do pavilhão Príncipe Filipe, que será palco da discussão do troféu.

Durante a sessão de trabalhos, que serviu para afinar a estratégia a adoptar frente aos campeões espanhóis, que já venceram quatro edições da prestigiada prova, ficou bem patente o entusiasmo e a união do plantel leonino, orientado pelo míster Nuno Dias.

Um bom prenúncio para o conjunto verde e branco? O futuro o dirá.

Foto César Santos

"Espero que as arbitragens estejam ao nível dos intervenientes"

Por Jornal Sporting
21 Abr, 2018

Nuno Dias garantiu que os leões estão preparados para a final frente ao Inter, explicou que o deslize na última edição já faz parte do passado e deixou um recado aos árbitros da partida

A poucas horas da final da UEFA Futsal Cup, que se irá disputar este domingo (19h em Portugal Continental), no Pavilhão Príncipe Filipe, em Saragoça, Nuno Dias deixou elogios ao Inter Movistar, mas garantiu que o Sporting CP já chutou para canto o deslize no ano anterior, estando preparado para o confronto.

"O adversário é fortíssimo, detentor do troféu, líder da Liga espanhola e campeão, que tem dominado o futsal europeu nos últimos anos. Tem a nível coletivo e individual um poderio enorme que nos vai trazer dificuldades", começou por dizer o treinador verde e branco, "convicto" que os leões estão no bom caminho para conquistarem o tão desejado título europeu, apesar de terem pela frente um adversário que é detentor de quatro troféus.

"Parece-me que estamos preparados, convictos e cientes do que podemos fazer amanhã. Eu vinha no caminho e vinha a pensar: a última vez que o Sporting jogou com o Inter foi este ano e o resultado até caiu para o Sporting. O ano passado o resultado não condiz com o que aconteceu. Os jogadores são diferentes, os interpretes também. O Sporting CP teve algumas melhorias, alguns jogadores subiram o nível. O Inter está diferente. Não deixa de ser uma equipa poderosa. O resultado vai ser diferente, estou convicto disso", explicou, revelando que a formação leonina já sente aquele 'friozinho na barriga'.

"Nervosismo normal de quem joga finais e competições deste nível. Amanhã, quando a bola começar a rolar, tudo vai ser diferente. Nada distinto do que é a ansiedade e o nervosismo normal deste nível", frisou.

De seguida, Nuno Dias deixou um recado: "Espero que as arbitragens estejam ao nível dos intervenientes. Que sejam coerentes. Ontem, nos jogos das meias-finais, o Cardinal jogou apenas 6 ou7 minutos por ter visto cartão amarelo e foi muito menos grave do que eu vi do Elisandro, que nem viu cartão. O Dieguinho viu amarelo porque festejou juntos dos adeptos na fase anterior. Ontem o Ortiz fez o mesmo e não viu o segundo amarelo... Só peço que tenham o mesmo critério".

Já depois do forte apoio sentido frente ao ETO Gyor, nas meias-finais (6-1), os Sportinguistas vão comparecer em peso no encontro da final (cerca de 400), tendo um papel importante no encontro. "Contamos com eles. Vão ser um apoio muito forte para todos nós", concluiu.

Foto César Santos

"Quem errar menos, vai sair vencedor"

Por Jornal Sporting
21 Abr, 2018

Fortino lançou a final da UEFA Futsal Cup frente ao Inter Movistar, destacando a união dos leões, que pode fazer a diferença na partida

Depois do triunfo frente ao ETO Gyor (6-1), é tempo de apontar a mira ao Inter Movistar, o adversário do Sporting CP na final da UEFA Futsal Cup, que se irá disputar no domingo (19h em Portugal continental), no pavilhão Príncipe Filipe, em Saragoça.

“Foi um primeiro passo que teríamos de dar para alcançar a final. Penso que tornámos as coisas fáceis e fizemos um bom jogo naquela que era uma meia-final da UEFA Futsal Cup. Estivemos concentrados e entrámos muito bem na partida, com dois golos. Depois, tivemos um pouco mais de calma”, começou por dizer Fortino na antevisão ao braço-de-ferro com os espanhóis, numa reedição da final do ano anterior, em Almaty (Cazaquistão).

“São duas grandes equipas que se encontram novamente na final. Estamos preparados e não precisamos de provar nada a ninguém. Esta equipa foi formada para vencer a competição, sabendo que o adversário também é bastante bom. Não tenho dúvidas de que vamos fazer um grande jogo”, acrescentou o jogador leonino, que considera que o futsal português tem crescido de ano para ano, diminuindo a diferença para a Liga do país vizinho.

“Nos últimos anos o campeonato português tem crescido muito, com jogos complicados. Penso que não tem muita diferença para o espanhol. Simplesmente eles prezam mais pelo ataque, fazendo muitos golos”, explicou, antes de sublinhar que o encontro frente ao Inter será definido em pormenores: “É uma final que todos os jogadores gostariam de disputar e que vai ser decidida nos detalhes. Quem errar menos, vai sair vencedor”.

E nem os adeptos leoninos ficam de fora da equação para a conquista do título europeu. Nem poderia ser de outra forma, como se viu na meia-final. “Os Sportinguistas estiveram presentes frente ao ETO Gyor e apoiaram-nos sempre, do início, até quando o jogo já estava definido. Para nós é muito importante ter o apoio deles”, ressalvou o pivot verde e branco, referindo que o espírito de equipa está bom e... recomenda-se.

“É muito positivo. Estamos todos focados e sabemos bem qual o objectivo que traçámos para esta UEFA Futsal Cup”, sublinhou, rematando prontamente: “A união deste grupo, formado já há alguns anos, vai ser fundamental. A união de fora vem para dentro da quadra”, concluiu.

Foto César Santos

Final da UEFA Futsal Cup no João Rocha

Por Jornal Sporting
21 Abr, 2018

Jogo será transmitido pela Sporting TV e pode ser seguido no Pavilhão João Rocha através dos ecrãs do cubo multimédia

Assegurada desde ontem, sexta-feira, a presença na final da UEFA Futsal Cup, na qual os leões irão defrontar os espanhóis do Inter Movistar, a transmissão do encontro está assegurada pela Sporting TV e poderá ser acompanhado, em família, nos ecrãs do cubo multimédia do Pavilhão João Rocha. O encontro está agendado para as 19 horas, mas as portas da nova casa das modalidades leoninas vão abrir às 18h30 para todos aqueles que estiverem interessados em viver as emoções de uma luta por um título europeu.

Nada que afecte o Jogo 3 da final do play-off de apuramento de campeão do voleibol, frente ao eterno rival, que irá decorrer às 15 horas. É só uma questão de, a seguir ao encontro da equipa orientada por Hugo Silva, ganhar embalo para mais fortes pulsações na aguardada final do mais importante troféu do futesal europeu. Fica o convite, para não faltar!

Foto César Santos

"Fomos bastante sérios"

Por Jornal Sporting
20 Abr, 2018

Nuno Dias não poupou nos elogios à equipa do Sporting CP após o triunfo por 6-1 frente ao ETO Gyor

Felicidade em estado puro. O sentimento era unânime na equipa do Sporting CP, em plena quadra do pavilhão Príncipe Filipe, após a passagem à final da UEFA Futsal Cup. A vítima deste leão faminto? O ETO Gyor, tricampeão húngaro, que caiu aos pés da formação verde e branca (6-1). Ao intervalo, já o marcador apontava 5-0.

"Jogamos sempre da mesma forma, para marcar o mais cedo possível em todos os jogos. Hoje, conseguimos e, acima de tudo, fomos bastante eficazes no início do jogo: fizemos dois golos nas três primeiras oportunidades. Depois, tornou-se mais fácil gerir a partida, o esforço e o resultado. Atacámos a baliza adversária nos momentos certos, sabendo gerir a posse. Essa gestão aconteceu porque fomos bastante sérios. Foi o ponto determinado para o nosso sucesso no jogo de hoje", começou por dizer Nuno Dias, treinador leonino, orgulhoso pela terceira qualificação para a discussão do título europeu.

"Não sei se há muitas equipas que se podem orgulhar de estar presentes em duas finais consecutivas e em três na sua história. Não é muito normal na UEFA Futsal Cup. Estamos contentes pelo primeiro objetivo. Fizemos um bom jogo e foi com todo o mérito que passámos à final. Entrámos muito determinados, a equipa entendeu perfeitamente que teria de ser bastante séria na forma de abordar o jogo desde o início. A vantagem de três/quatro golos na fase inicial permitiu-nos até gerir da melhor forma o esforço e cartões amarelos, para não sermos penalizados para a final. Deu para rodar e gerir esforços", acrescentou, garantindo que seja qual for o próximo adversário, o objectivo passa por levantar o 'caneco'.

"Ninguém tenha dúvidas: hoje, domingo, na Liga ou Taça, enquanto eu estiver no Sporting CP será sempre assim, com índices competitivos no máximo, lutar sempre pelo melhor resultado possível. Independentemente do adversário de domingo [Inter Movistar ou Barcelona], vamos lutar com todas as nossas forças para conseguirmos o tão ambicionado objetivo. Para já, é esperar para ver e analisar nos treinos de sábado e domingo", explicou.

Por último, uma palavra para os Sportinguistas: "Hoje os adeptos fizeram questão de aparecer a tantos quilómetros de distância (de Lisboa) e não fazem ideia do quanto nos ajudam. Se puderam vir domingo, lembrem-se que é um momento único, uma final de uma competição europeia. A maior competição de clubes do mundo. Que a nossa exibição lhes tenha tirado as dúvidas", concluiu.

Foto César Santos

À meia dúzia o bilhete da final foi mais barato

Por Jornal Sporting
20 Abr, 2018

Sporting CP garantiu o ingresso que dá acesso à discussão do título na UEFA Futsal Cup ao vencer o ETO Gyor por 6-1

Não há duas sem três, já dizia o provérbio. E com razão, pelo menos para o Sporting CP, que voltou a garantir esta sexta-feira o apuramento para a final da UEFA Futsal Cup, ao bater o ETO Gyor por 6-1, nas meias-finais da competição. Num encontro com duas partes distintas no pavilhão Príncipe Filipe, em Saragoça, os leões arrancaram a todo o gás, garantindo ao intervalo uma diferença de 5-0 no marcador, optando por gerir a vantagem, de forma inteligente, no segundo tempo. A discussão do título europeu está marcada para domingo, na mesma quadra, às 19h (hora de Portugal continental).

Apoio além-fronteiras

Os jogadores leoninos na quadra, o Grupo de Apoio às Modalidades do Sporting CP na bancada. É uma verdade inquestionável, tal como a conta matemática 1+1 são 2. Ou seja, não falham. Estão sempre presentes, mesmo que a final-four da UEFA Futsal Cup se dispute em Saragoça, a mais de 1.000 quilómetros do Pavilhão João Rocha, como é o caso.

"Nós acreditamos em vocês", gritaram a plenos pulmões centenas de Sportinguistas, minutos antes do pontapé de saída na partida, dando o estímulo que faltava para juntar à ambição de um título europeu que já tarda em chegar ao Museu do Clube.

"Uma curva belíssima, uma curva fantástica", ouviu-se também nas colunas de som do recinto desportivo, em altura de aquecimento das equipas, o que não deixou nenhum jogador do Sporting CP indiferente dentro da quadra. "Vamos, vamosssss!", gritaram quase em simultâneo João Matos e Pedro Cary, a meio de um exercício de activação. O aviso estava dado.

"Balizaaa, balizzaa", insistia o campitão leonino, batendo palmas de forma intensa para assinalar a mudança de ritmo. "Bem defendido", ripostou Marcão na baliza verde e branca, após a simulação de uma situação de 1x1 defendida de forma exemplar. O foco era total e nem a 'kiss cam' no cubo do pavilhão, que provocou muitas gargalhadas nas bancadas, desconcentrou os comandados de Nuno Dias.

Mão cheia ao intervalo

17h. Cardinal sai com bola. Pé direito, um bom prenúncio – como se viria a revelar. Ainda nem um minuto de jogo decorrido e o camisola 19 já tinha testado a atenção de Marcell, o guardião contrário. No fundo, o primeiro aviso para aquele que seria o primeiro golo da partida, concretizado através de um remate cruzado (e certeiro) de Merlim (56 segundos de jogo).

Cary esteve perto do segundo, pouco tempo depois, após um canto estudado de Merlim. O 'mago' não acertou a assistência à primeira, mas não falhou à segunda. Desta vez para Cardinal, que com um toque de classe fez o 2-0 (3'). Festa rija, pois claro, com epicentro no banco de suplentes leonino e muitas ‘réplicas’ na bancada.

A pausa técnica pedida pelo Gyor não surpreendeu. No entanto, corrigiram posicionamentos defensivos, subiram linhas e obrigaram o Marcão a duas defesas atentas. Dieguinho respondeu com um remate já quase sem ângulo, que passou a centímetros do poste esquerdo dos húngaros. O internacional brasileiro voltou a ter duas novas oportunidades à passagem do minuto 6', mas Marcell teimava em vencer o ‘duelo’ individual.

Perante um adversário bem trancado na sua defesa, Fortino até foi obrigado a tentar desbloquear o jogo com uma bicicleta acrobática, à moda de CR7 (9'). Com tanta insistência, só podia dar no terceiro do encontro: Merlim voltou a trabalhar na ala e assistiu com mestria Cardinal, que só teve de encostar ao segundo poste, para mais um da conta pessoal (11'). Menos de um minuto depois, o mesmo Cardinal voltou a dar nas vistas, respondendo a um passe longo com uma bola na barra de cabeça.

Cavinato também não quis ficar de fora da lista de marcadores e aproveitou uma assistência de Dieguinho para rubricar o seu nome (13'). A perder por 4-0 e sem nada a perder, o Gyor optou pelo 5x4, mas nem assim tiveram sucesso, já que na baliza Marcão esteve uma autêntica 'parede humana'. Mais: Diogo ainda fez o 5-0 aos 20', aproveitando a descompensação dos húngaros com um remate fácil para uma baliza deserta.

Gerir com tranquilidade

No segundo tempo, a diferença de qualidade entre as duas equipas voltou a ficar expressa na quadra. Não por golos, mas sim pela inteligência táctica demonstrada por parte dos jogadores do Sporting CP perante a ameaça húngara. Corria o minuto 22' quando Rolón incomodou a baliza verde e branca, mas atrapalhou-se e a bola acabou por sair pela linha de fundo num lance perigoso. Um minuto depois foi Sáhó a tentar fazer o gosto ao pé, embora sem a melhor direcção.

Aos 25' Dieguinho tentou o sexto da partida, mas errou o alvo. Recorrendo ao 5x4 a partir dos 26', o Gyor tentava a todo o custo minimizar os estragos. Já com André Sousa na baliza verde e branca, por troca com Marcão, Juanra viu o seu cabeceamento embater na barra (30'). A mesma sorte de Merlim, que aos 31' deixou um defesa sentado no chão, mas viu Marcell negar-lhe o golo com uma grande defesa, ou de Pany Varela, que dois minutos depois viu o seu forte remate ser desviado para canto.

Já depois de Rolón ter enviado uma nova bola ao travessão, Sáhó acabou mesmo por fazer o golo de honra dos húngaros aos 35', após uma desatenção defensiva dos leões. Nada que Dieguinho não tenha atenuado, com o 6-1 final aos 38'. Uma vitória incontestável do Sporting CP, que aproveitou a segunda parte para gerir a equipa para a final de domingo. E bem!

Destaque ainda para Merlim, considerado o MVP desta meia-final da UEFA Futsal Cup.

Páginas

Subscreva RSS - Futsal