Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Está aqui

Tiro com Arco

Desde os tempos Pré-históricos que o homem, nas suas actividades de caça, utilizava o arco e a flecha.

Na mitologia  o uso do arco e flecha é referido com frequência. Ulisses, que a lenda popular diz ser um dos fundadores da cidade de Lisboa, só foi reconhecido no seu regresso da guerra de Tróia por ter conseguido abrir o seu arco, que tinha deixado em Atenas.

Robin Hood é uma figura do folclore inglês, que se diz ter existido no século XIII e vivido na Floresta de Sherwood, condado de Nottinghamshire, a quem se atribuem extraordinárias proezas no uso do arco e da flecha.

Em Portugal é um facto que D. João I tinha arqueiros na sua guarda e que combateram na batalha de Aljubarrota (1385) cerca de 200 arqueiros ingleses (A Raínha D. Filipa de Lencastre era neta do Rei Eduardo III de Inglaterra).

O aparecimento das armas de fogo retirou interesse militar aos arqueiros, tendo a actividade de tiro com arco permanecido como uma prática de exercício físico e de concentração.
Hoje em dia é um desporto de elevada precisão (integra os Jogos Olímpicos continuadamente desde 1972), que é praticado com regras e em condições de segurança bem definidas pelas respectivas federações desportivas, quer a nível nacional (FPTA - Federação Portuguesa de Tiro com Arco) quer internacional (EMAU - União Europeia e Mediterrânica de Tiro com Arco e WA - World Archery).

Não te esqueças de que para jogar qualquer jogo é preciso um adversário, que não é outra coisa senão um amigo que está a jogar contigo. Sem ele não haveria jogo, não haveria competição! Não poderias nem ganhar nem perder! Não poderias jogar!

Em Portugal é praticado em diversos clubes, nomeadamente no Sporting Clube de Portugal, membro fundador da FPTA.