Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Está aqui

História

O Kickboxing começou a praticar-se em Portugal em 1975, com a designação de Full-Contact, tendo como pioneiros os Mestres Carlos Ranjanali e António Duarte.

As primeiras competições nacionais e participações internacional de atletas Lusos aconteceram em 1977, organizadas pela Associação Portuguesa de Full-Contact.

Em 1983 Portugal recebe a sua primeira medalha de bronze no Campeonato do Mundo, organizado em Londres pelas mãos do atleta Carlos Ranjanali. Seguiram-se outras vitórias como a medalha de prata de João Freitas no Mundial de 1985 e a medalha de ouro de Fernando Jaime no Campeonato da Europa de 1986.

Em 1988 Carlos Ranjanali, Carlos Lobo, Carlos Cunha, Manuel Teixeira, João Freitas e Joaquim Lourenço fundam a Federação Portuguesa de Kickboxing e Full-Contact na Figueira da Foz.

No entanto, só em 1990 a modalidade começou a receber apoios financeiros que iriam permitir o crescimento e organização da vida associativa. Neste mesmo ano nasce a Associação de Kickboxing e Full-Contact de Lisboa sendo Luís Rodrigues Presidente da Direcção.

Em 1993 foi eleita uma nova Direcção, presidida por Carlos Ranjanali, num ano em que se discutiu a integração de Clubes e treinadores da Federação Portuguesa de Karaté-Contact, e filiação na World Kickboxing Association (W.K.A.),

Em 1994 a sede da Federação foi transferida para Lisboa, e as diversas Associações Distritais transformaram-se em apenas seis Associações Regionais.
Do ponto de vista desportivo, este ano ficou marcado pela organização em Lisboa do Campeonato da Europa de Kickboxing.

Surge a filiação na Confederação do Desporto de Portugal em 1995. Um ano marcado por uma grave crise de liderança, que originou a demissão de toda a Direcção Nacional, em Janeiro de 1996, e a inevitável demissão do próprio Presidente. São eleitos novos corpos dirigentes, com destaque para Luís Gomes como Presidente da Direcção e Mário Fernandes como Presidente da Mesa da Assembleia Geral. No entanto, meses mais tarde Carlos Ranjanali reassume a presidência da Direcção.

Apesar de todas as vicissitudes, nesse mesmo ano ainda foi possível concretizar o primeiro curso de treinadores e a participação no Campeonato da Europa, em Itália, nas disciplinas de Light e Semi-Contact.

O reconhecimento oficial da Federação Portuguesa de Kickboxing e Full-Contact ocorre ainda no ano de 1996 com a atribuição do estatuto de Instituição de Utilidade Pública. Este passo foi fundamental para o desenvolvimento e crescimento do Kickboxing nacional. O ano viria a terminar da melhor forma possível, com o reconhecimento da modalidade pelo Comité Olímpico Português, em Dezembro de 1996, facto muito importante para a aceitação da nossa Federação nas várias Federações Internacionais.

Em 1997 foi concretizada a integração de novos membros, oriundos do Thaiboxing e do Muay-Thai, e efectuada a marcação da primeira prova nacional destas disciplinas.

Em Julho de 1997 ocorre mais uma Assembleia Geral onde se procede a alterações relativas à organização dos Campeonatos Nacionais com o objectivo de melhorar e dignificar futuras realizações, introduzindo-se também modificações no programa nacional de graduações. Neste mesmo ano é fundada a Associação de Kickboxing e Full-Contact da Região Norte por José Barbosa e constituída na Ilha Terceira, a Associação de Kickboxing dos Açores, por Paulo Ribeiro.

Ao nível de participações internacionais, as Selecções das várias disciplinas estiveram presentes nos Campeonatos do Mundo de 1997, realizados em Outubro na Croácia e em Novembro na Polónia, apesar das dificuldades financeiras, evidenciando o reconhecimento de que a evolução técnica passava pela experiência internacional.

O ano de 1998 começa com a discussão de uma proposta de actividades de formação, já então uma preocupação constante, e com a decisão de participação no Campeonato da Europa de Muay-Thai em Barcelona, bem como no Torneio Ibérico em Madrid.

Em Março de 1998, é discutida e aprovada por unanimidade a alteração do nome para Federação Portuguesa de Kickboxing e Muay-Thai, o que em termos práticos nunca se veio a concretizar.

Em Setembro é aprovado o Regulamento Nacional de Arbitragem e a necessidade de reforçar a Direcção, são nomeados dois novos membros, um dos quais Carla Moura, que passa a ser a primeira mulher a desempenhar funções na Direcção da Federação. É também decidido não participar no Campeonato da Europa, por escassez de meios financeiros, devendo apenas deslocar-se um dirigente com a incumbência de promover a prova de juniores.

Nesse mesmo ano, a pedido da Confederação do Desporto de Portugal é indigitado como personalidade da modalidade José Machado, à data Presidente da Associação do Centro, para ser homenageado na gala anual.

No ano de 1999, uma das primeiras decisões da Direcção consistiu na participação da Selecção de Muay-Thai no Campeonato do Mundo, em Bangkok. Este ano marca o arranque do controlo antidopagem, com o pedido de duas análises no Campeonato Nacional de Muay-Thai. Em termos desportivos ocorre a aprovação do Regulamento da Taça de Portugal e, na vertente disciplinar, é analisada e aprovada a irradiação de um associado, facto novo na história da Federação.

A organização do Campeonato do Mundo de Juniores, em Setembro, no Pavilhão Atlântico de Lisboa, foi sem dúvida uma fase de extraordinária importância para a modalidade, a excelente organização, de uma prova de grande dimensão, credibilizou a estrutura federativa e os dirigentes junto das entidades oficiais nacionais e da própria WAKO – World Association of Kickboxing Organization.

A visibilidade obtida para a modalidade foi enorme, através dos órgãos da comunicação social que acompanharam a prova, bem como a aprendizagem técnica proporcionada aos atletas portugueses participantes. Na competição sénior, o destaque vai para mais uma participação nos Campeonatos do Mundo que se realizaram em Itália.

No quadro institucional, refira-se mais uma gala anual da Confederação do Desporto de Portugal, na qual foi homenageado Luís Gomes como figura da modalidade.

O Ano 2000 é marcado pela fundação formal e legal da Associação de Kickboxing e Full-Contact do Algarve através do Prof. Arlindo Martins.

Paralelamente, o surgimento de uma nova Direcção Nacional, presidida por Armindo Costa, que marcou o inicio de uma profunda reestruturação na vida federativa, incluindo a alteração dos Estatutos, da designação social e do próprio logótipo, passando a designação para Federação Portuguesa de Kickboxing em 2002. Da alteração dos Estatutos refira-se a possibilidade de inclusão de novos sócios ordinários, com direito a um voto nas Assembleias Gerais, abrindo assim caminho à constituição de novas Associações, como por exemplo de treinadores e árbitros.

De referir também uma forte aposta na área desportiva, com profundas alterações na organização de Campeonatos Nacionais e na imagem das Galas de Kickboxing.

A formação continua a ser considerada prioritária o que leva à organização de um curso de monitores e outro de formação de formadores, leccionado pelos treinadores mais antigos. Relativamente a Regulamentos, surgiu o de Alta Competição onde se destaca as normas de atribuição de prémios pecuniários, a atletas e respectivos treinadores, que sejam medalhados em Campeonatos Internacionais, medida de incentivo inédita na modalidade. Foi também instituída uma Gala Anual destinada a homenagear as figuras da modalidade que se distingam ao longo da época desportiva.

Em 2002, surge uma nova Direcção presidida por Fernando Garcia com destaque para a regulamentação da actividade de Promotor de Eventos de Kickboxing, reconhecidos pelo constante contributo para a divulgação e dinamização da modalidade, e que possibilitou a realização, nas Caldas da Rainha, do III Campeonato da Europa de Muay-Thai Amador, sob a égide da I.A.M.T.F.

Realce para o crescimento da competição, através da organização de novas provas, como a Taça de Portugal, Ladies Open, Jovem Kickboxer do Futuro, Torneio de Absolutos e Campeonato Nacional de Formas Musicais. A verdade desportiva não foi esquecida, levando à elaboração do Regulamento Antidopagem, aprovado pelo Conselho Nacional Antidopagem e, com o apoio desta entidade, foi implementado um eficaz controlo em todas as competições. Na área da formação, foi criado um plano tendente à implementação da carreira de monitor/treinador, que levou à concretização do primeiro curso de treinador nacional. Na comunicação foi editada a folha informativa Kicknotícias que apesar da simplicidade foi um êxito.

Quanto às já tradicionais galas da Confederação do Desporto, em 2002 foi homenageado Manuel Teixeira, na qualidade de treinador e em 2003 o Carlos Ranjanali, pelos serviços prestados à modalidade no século XX.

No que respeita à vida associativa, foi formalmente concretizada a integração dos Clubes madeirenses na Associação de Desportos da Madeira (A.D.M.), que passou a ter um departamento de Kickboxing da responsabilidade de João Teixeira. Este novo modelo permitiu a organização local da modalidade, sem custos de instalação e com possibilidade de beneficiar de apoios do Instituto de Desportos da Madeira.

O ano de 2004 inicia-se com um novo acto eleitoral que levou à confirmação, para um novo mandato de quatro anos, de Fernando Garcia como Presidente da Direcção, tendo novamente como Vice-Presidente Fernando Simões, o que revela uma clara aposta na estabilidade da vida federativa.

Assim, foi possível realizar dois cursos de monitores já agendados, um em Lisboa e outro na região centro e norte, caminhando-se a bom ritmo para suprimir as necessidades existentes. Também se realizou um curso de arbitragem para árbitros nacionais e internacionais.

Ao nível do associativismo começa a resultar a opção madeirense, realizando-se localmente um curso de árbitros regionais e, pela primeira vez, duas provas para apuramento de atletas para o Campeonato Nacional. Realce para a duplicação do número de atletas federados, com forte componente feminina justificada pela prática de Aerokickboxing.

Na prática desportiva, realizou-se o primeiro torneio internacional K1-max, em Loures, que reuniu excelentes atletas, sagrando-se José Reis como vencedor. Em Assembleia Geral foram decididas alterações ao calendário desportivo, eliminando-se o torneio de Absolutos e surgindo o torneio Inter-Associações. Na competição Internacional, manteve-se a participação das nossas Selecções nos respectivos Europeus e do Muaythai no Campeonato do Mundo da I.F.M.A. (International Federation Muaythai Amateur) pois foi decidido não renovar a filiação na I.M.T.F.

Mantendo a tradição, a Confederação do Desporto de Portugal realizou a Gala Anual, no Casino do Estoril, destinada a homenagear jovens promessas, tendo sido nomeado pela nossa Federação o atleta André Dias Mendes, praticante de Muay-Thai no Sporting Clube de Pedrenais.