Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Taxonomy term

“Este é o Sporting mais completo em que já joguei”

Por Jornal Sporting
12 maio, 2016

Entrevista exclusiva ao capitão da equipa de futsal João Matos no Jornal Sporting

Em 11 anos ao serviço do Sporting CP, João Matos levantou tantas Taças de Portugal quantas as que o Clube tem. Agora, foi a quinta, que é especial: marcou um golo, usou a braçadeira de capitão e foi eleito o melhor jogador da final, a primeira distinção individual do fixo de 29 anos.

“Fico muito contente por receber um prémio individual, que é o meu primeiro. Pelo que vi, a nomeação do jogador foi pela intensidade de jogo, pela garra, pela vontade, pela forma como defensivamente me apresentei em campo. Se a nomeação foi por essas características fico muito contente porque são as minhas e foram reconhecidas. Não se deu só olhos aos virtuosos, aos goleadores ou aos jogadores que chamam mais a atenção”, afirmou o capitão, que vincou o bom momento dos ‘leões’ em vésperas do ‘playoff’ do Campeonato.

“[Esta conquista] é importante, não só pela confiança mas também porque é sinal de que estamos a manter a regularidade de bons jogos e a mentalidade vencedora. É bom termos ganho e termos ganho ao Benfica, para se perceber que este ano estamos mais fortes e já o demonstrámos por duas vezes frente ao nosso rival”, acrescentou o camisola nove, considerando que esta é a mais completa equipa do Sporting CP em que já actuou. “Este é o ano de melhor qualidade individual, talvez. Temos uma equipa muito poderosa. Os italianos vieram acrescentar muita qualidade ao nosso jogo, foram reforços extraordinários, e o Marcão também nos deu uma ajuda tremenda. Este acaba por ser o Sporting CP mais completo em que já joguei”.

Leia a entrevista completa nesta edição do Jornal Sporting, que já está nas bancas.

Foto D. R.

Em frente!

Por Jornal Sporting
13 Set, 2018

Editorial do director interino do Jornal Sporting para a edição n.º 3693

Se fosse fácil não era para nós', costuma ouvir-se por Alvalade ou nas conversas em família sobre a vida do nosso Clube, como se cada missão fosse de nível herculeano e tivéssemos de fazer um esforço extra para chegar onde outros chegam sem tantos obstáculos. Mesmo os externos podem não ser equitativamente colocados, mas não são esses que contam para estas contas que agora voltaram ao zero, com a eleição de Frederico Varandas como 44.º Presidente do Sporting Clube de Portugal. O acento tónico está mesmo nos obstáculos internos, que invariavelmente marcam a vida do nosso Clube.

O discurso de união do novo líder leonino não pode nem deve ser levado de ânimo leve. Reconhecidamente fracturado depois de um período conturbado da nossa história, o Sporting terá, definitivamente, de viver novos tempos, de concórdia e harmonia, alicerçados na mais cuidada gestão, dando apenas continuidade ao excelente desempenho registado na época 2017/18, aquela que marcou o arranque de uma nova era nas modalidades de pavilhão com a chegada da tão desejada – durante anos – casa das modalidades, baptizada com a melhor homenagem ao Presidente que tanto deu, de forma absolutamente transversal, ao Clube.

Nelson Mandela, Sócio de mérito do Sporting, único Clube com o qual manteve uma relação de Associado, sempre disse que gostaria de ser lembrado como elemento de uma equipa e que a sua contribuição fosse avaliada como a de alguém que executou decisões tomadas por esse mesmo colectivo. No seu discurso de investidura, Frederico Varandas referiu que nasceu Sporting, cresceu Sporting, respira Sporting, mas não é o Sporting. Referiu ainda, emocionado e de voz embargada logo após terem sido anunciados os resultados aos Sócios – que às duas e meia da manhã ainda esperavam na Praça Centenário pelos resultados –, que acabava de se assistir à vitória da independência, resistência, resiliência e da superação.

É, também, o fim de um ciclo e o começo de um novo, com tudo o que de bom possa trazer ao Sporting. São sempre momentos de esperança, mais ou menos desmesurados, com maior ou menor grau de cepticismo, talvez mascarados pela paixão e amor que se tem ao Clube, que por vezes nos tolda o julgamento, mas que ninguém leva a mal quando em doses saudáveis e longe da irracionalidade dos extremismos de ser tudo mau, uma desgraça à beira do apocalipse. "Não há nada como começar para ver como é árduo concluir", escrevia Victor Hugo, alertando para as dificuldades que sempre surgem pelo caminho. No entanto, é precisamente na união pedida pelo novo líder de Alvalade que poderá estar a chave do sucesso. Sartre também dizia que amor, carreira, revolução e outras tantas coisas que se começam sem saber como acabarão. Ninguém sabe. Podemos, isso sim, contribuir para que o desconhecido possa não ser tão nublado.

Parabéns à equipa de futsal por mais um registo histórico na conquista da Supertaça, diante do Fabril, em Loulé, com um 11-0 final no marcador, a maior goleada alguma vez verificada na competição.

Uma palavra de ânimo à equipa de futebol feminina, em especial a Carlyn Baldwin – pela grande penalidade falhada e que motivou até um pedido de desculpas público da jogadora nas suas redes sociais –, pela derrota nos penáltis na Supertaça. Dois anos de projecto em que conquistaram cinco títulos em seis possíveis, tendo perdido o primeiro precisamente no passado fim-de-semana, em Viseu.

Para todas elas, eles e, acima de tudo, para ele, Frederico Varandas, recorda-se o hino dos campeões de 1981/82: EM FRENTE!

As eleições, a nova pérola, o seu treinador e o Clube de todos

Por Jornal Sporting
06 Set, 2018

Editorial do director interino do Jornal Sporting para a edição n.º 3692

Já as atenções estão totalmente viradas para as eleições deste sábado e ainda permanece na memória o golo da nova pérola da Academia Sporting, curiosamente também ele com o n.º 77 na camisola, marcado ao minuto 88, frente ao Feirense e que garantiu mais três importantes pontos que mantêm os leões no grupo de líderes da Liga NOS. Não é de estranhar que uma oficina de talentos como a que tem/é o Sporting consiga dar espaço, num abrir e fechar de olhos, a novos valores que consigam, humildemente, ir ganhando o seu espaço na equipa principal.

O caminho é ainda longo, mas as expectativas começam a ficar ao nível das exigências. Nesta edição, Tiago Fernandes, treinador-adjunto do plantel profissional e o único técnico que acompanhou Jovane Cabral desde o primeiro momento em que vestiu de leão ao peito – na verdade foi antes, como vai poder ler –, fala do jovem extremo e de como chegou ao Sporting. Dos seus primeiros tempos e do impacto que esta oportunidade poderá ter para a sua carreira. Nem mesmo José Peseiro, no final da vitória frente aos fogaceiros, assegurada pelo golo solitário de Jovane, deixou de fazer referência à disponibilidade e paciência do jovem extremo em aguardar pelas suas oportunidades. "São estes jogadores que a formação tem de ter. Com este carácter. Não os que fogem quando não são titulares. Que quando vão lá para dentro [de campo], dão tudo... e não escrevem nada".

A justiça das críticas de José Peseiro está alicerçada precisamente na mesma liberdade com que os jogadores (ou quaisquer outros intervenientes em processos idênticos) se escudam em poderem dizer o que sentem em relação às decisões de gestão que o principal responsável pelo plantel toma na perseguição dos objectivos. Ambos estarão sempre na primeira linha das avaliações que cada adepto fará. Há, no entanto, um pormenor (não assim tão insignificante) que jamais se poderá esquecer: José Peseiro é e será até ao seu último dia como treinador da equipa principal do Sporting aquele a quem serão pedidas contas pelo (in)sucesso. A ditadura dos resultados já aqui referida várias vezes.

O mais relevante resultado deste fim-de-semana do Sporting em nada está relacionado com desporto. Um ano e meio depois das últimas eleições, em Março de 2017, a família leonina é novamente chamada a votos. Mais de 50.000 Sócios estão habilitados a exercer o seu direito, que é também um dever. Estão reunidas as condições para se poder bater um novo recorde de participação – não apenas no Sporting mas, provavelmente, a nível nacional –, já que há mais sete mil Sócios em condições de votar do que em 2017. Os Sportinguistas, até pela afluência à reunião magna de 23 de Junho que ditou a destituição do anterior Conselho Directivo, já mostraram ao país que se preocupam com a vida do Clube e que não há qualquer outra forma de gerir os destinos do nosso centenário emblema senão o de dar a voz aos associados para decidirem de sua justiça. Campanha e recta final à parte, o futuro será invariavelmente decidido pela vontade expressa dos Sócios nas urnas. Daremos, mais uma vez, o exemplo do Clube democrático que somos. Que da vasta diversidade de ideias e projectos apresentados pelos candidatos há uma via comum que, a 9 de Setembro, deverá ser aglutinador e apontar o caminho a seguir. Todos. Isto é o Sporting!

Vamos a votos

Por Jornal Sporting
06 Set, 2018

Jornal Sporting chega amanhã às bancas

Está a chegar um dia fundamental na vida do Sporting CP e o Jornal Sporting não podia passar ao lado. As eleições do próximo sábado vão dar a voz aos Sócios e um novo Presidente será eleito. Todas as informações úteis estão nas páginas do semanário verde e branco, bem como as últimas entrevistas de todos os candidatos ao Conselho Directivo.

É hora de olhar para o futuro, mas sem esquecer o passado. A equipa sénior de futebol conquistou mais uma vitória e chega à paragem para compromissos internacionais no primeiro lugar da classificação. Jovane Cabral foi o autor do golo do triunfo, voltando a assumir-se como uma figura decisiva – como tem sido neste início de época. Fique a conhecer o crescimento da nova pérola de Alcochete através das palavras de Tiago Fernandes, membro da equipa técnica de José Peseiro e antigo treinador dos juniores.

Em destaque estão também duas entrevistas a personagens marcantes do universo verde e branco: Nuno Dias, técnico tricampeão nacional de futsal, que revela as ambições para a nova temporada; e Nélson Evora, campeão olímpico e recente campeão europeu de triplo salto, também desejoso de continuar a somar medalhas.

Com muitos motivos de interesse, o Jornal Sporting não esqueceu o fim-de-semana vitorioso da formação. Os sub-23, os juniores e os juvenis saíram com os três pontos e continuam a crescer. 

Foto D.R.

Vontade férrea

Por Jornal Sporting
30 Ago, 2018

Editorial do director interino para a edição n.º 3691

Muitas das modernas constituições que ditam as regras mais elementares de convivência entre cidadãos têm o inegável contributo da teoria de separação de poderes do barão de Montesquieu, político e filósofo francês da passagem do século XVII para o XVIII, que a propósito escreveu: "Os leões têm uma grande força, mas esta ser-lhes-ia inútil se a natureza lhes não tivesse dado olhos". Os olhos que teve Romain Salin para defender o remate de Cervi que valeu um golo. Os olhos que teve o capitão – mais uma vez a assumir a responsabilidade da decisão –, Nani, dignos de verdadeiras Odysseas suportadas também pelo espírito de sacrifício de Montero que, apesar de ter características diferentes, coube-lhe desempenhar as funções do ausente Bas Dost. Olhos que todos tivemos para ver (e apoiar) uma das mais fortes razões que liga a imensa família leonina e motivo de reunião semanal, no caminho que se quer de sucesso. A campanha que esta época arrancou, "Agora És Tu", reflecte bem a necessidade de haver a tão pedida união entre todos. Ghandi também dizia que a força não provém da capacidade física mas da vontade férrea em alcançar os objectivos. Vontade todos terão, é certo, mas a diferença poderá estar naqueles que a demonstram sempre com o mesmo espírito de entrega, independentemente dos obstáculos que possam surgir – e se às vezes são de mais. Não há como contornar a questão: a equipa orientada por José Peseiro, como tem sido apontada por todos, começou claramente em desvantagem em relação aos seus mais directos adversários e, por essa razão, terá de apresentar argumentos que justifiquem o desejado desfecho que nos foge, novamente, há quase duas décadas. Os arranques de temporada, com maior ou menor grau de exigência, são invariavelmente complicados de gerir. As maratonas não se ganham nos primeiros quilómetros. À terceira jornada, e depois de já termos visitado a casa do eterno rival e directo concorrente nos objectivos, ocupar a liderança da Liga NOS nada tem de surpreendente – será apenas para os não -crentes –, antes de justiça. Assim como é mais fácil trabalhar um plantel sobre vitórias, o primeiro lugar é, igualmente, motivo de orgulho e sinal de responsabilidade acrescida. O próximo desafio, da quarta jornada, na recepção em Alvalade ao Feirense, este sábado, terá o ingrediente extra de poder significar, aconteça o que acontecer em outros estádios, novo reforço da liderança leonina. A presença em massa torna-se cada vez mais importante. A força e concentração que se pedem à equipa também terão sempre de vir das bancadas. "Não é força que se pede a um canoeiro. O segredo está no ritmo dos remos, batendo num mesmo compasso na superfície da água", escreveu Mia Couto. Pedimos, na manchete da edição passada, que sentissem o dérbi. Álvaro de Campos dizia que ser forte é ser capaz de sentir. A equipa sentiu e foi forte. Agora somos nós. Agora és tu! Parabéns a Nuno Dias e Pany Varela, eleitos o melhor treinador e melhor jogador português da Liga Sport Zone da época passada. Justiça para tricampeões nacionais, que entraram nesta pré-época a vencer o mais prestigiado torneio da modalidade em Portugal, Masters Cup, derrotando dois poderosos adversários, o último dos quais, na final, responsável por lhes negar, há dois anos consecutivos, o título maior europeu. As mesmas saudações a Luís Gonçalves, Carina Paim, Carolina Duarte e Érica Gomes, os quatros leões responsáveis por oito medalhas nos Europeus paralímpicos que se realizaram em Berlim. Isto é o Sporting!

Agora somos nós

Por Jornal Sporting
30 Ago, 2018

Destaques de mais uma edição do Jornal Sporting

Como é habitual, o semanário leonino vai para as bancas à quinta-feira e traz tudo o que aconteceu no dérbi, que terminou com um empate. Além da história do jogo, conheça a “loucura” de um adepto irlandês que veio a Lisboa propositadamente. Na liderança do campeonato, a equipa de José Peseiro recebe o Feirense na próxima jornada e o Jornal Sporting lança o apelo: encher o Estádio José Alvalade e apoiar incondicionalmente os leões. O mote para a temporada foi o slogan “Agora és tu”, que recordava os heróis do passado e pedia a todos os Sócios uma participação activa. Ainda no futebol, apresentamos-lhe as características do reforço Nemanja Gudelj, sérvio que vem acrescentar qualidade ao meio campo.

Entre os outros temas que mereceram uma chamada de capa, o destaque vai para o futsal leonino. Mesmo em pré-época, o conjunto de Nuno Dias não deixa o vício de ganhar e levantou o prestigiado troféu da Masters Cup. Foi a primeira equipa portuguesa a fazê-lo. Lá fora, houve quatro atletas paralímpicos do Sporting CP medalhados nos Europeus Paralímpicos, que se disputaram em Berlim. Carolina Duarte, Luís Gonçalves, Carina Paim e Érica Gomes honraram Portugal e o Clube que apostou no potencial destes atletas.

Depois de ter sido campeão no ano de estreia, Hugo Silva renovou pelos leões e vai liderar a equipa, que persegue o objectivo do bicampeonato. Com as eleições cada vez mais próximas, o Jornal Sporting apresenta também as ideias de todas as listas para a Mesa da Assembleia Geral.

Menos é mais

Por Jornal Sporting
23 Ago, 2018

Editorial do director interino para a edição n.º 3690

A origem da expressão, no original 'less is more', remonta ao século XIX de um poema de Robert Browning, mas foi o arquitecto alemão (naturalizado norte-americano) Mies van Der Rohe que a tornou mais conhecida por defender a simplicidade de estilo e a consequente clareza de conceitos. Está, esta velha teoria pouco consensual – a complexidade de certos temas não se compadece com análises ou olhares redutores –, relacionada com o período eleitoral do Sporting no que aos debates com os sete candidatos diz respeito.

A Sporting TV marcou o arranque da discussão de ideias com o primeiro confronto entre todos os que almejam a Presidência do emblema de Alvalade, bem orientado pelo director do Canal leonino, Rui Miguel Mendonça, na sempre complicada missão de conduzir os trabalhos entre quem pretende passar da melhor forma os diferentes projectos que preconizam para tão relevante fase do Clube. Com tantas vozes e posições defendidas, assegurar um fio condutor e dentro das temáticas que se consideram cruciais para os destinos do Sporting, ficou difícil peneirar o essencial do acessório, mas essa realidade não teria sido diferente se tivesse acontecido em outro qualquer canal. A diferença, para melhor, naturalmente, é que o debate decorreu dentro das nossas portas, na nossa casa, dando assim a relevância que os órgãos de comunicação do Clube merecem e devem ter para a família verde e branca.

Ultrapassado o primeiro debate com os setes candidatos, seguem-se os confrontos individuais e é aqui que a máxima de Browning entra em acção. Com menos, há mais clareza de ideias, mais tempo e maior concentração na apresentação pura e dura de projectos e respectivos manifestos, que devem ser – além do perfil que cada Sócio procura para o próximo líder – as bases de apoio à decisão que no dia 8 de Setembro cada um terá de tomar.

No 'mano-a-mano', cada um dos candidatos poderá concentrar-se mais no que considera fundamental para consolidar os créditos apresentados sem sentir a necessidade de se dispersar na defesa dos vários ataques que possam ser feitos, neste caso concreto, do um-contra-um apenas vindos de um só lado. Do outro lado.

O Jornal Sporting abre espaço, nesta edição, aos candidatos à presidência do Conselho Fiscal e Disciplinar e respectiva avaliação do trabalho que poderão ter pela frente. Cinco perguntas iguais para todos, repetindo-se o mesmo formato na edição seguinte com os candidatos à Mesa da Assembleia Geral e, na última quinta-feira (dia 6 de Setembro) antes das eleições, as entrevistas com os candidatos à presidência do Conselho Directivo.

A partir do próximo sábado, ficam a faltar apenas duas semanas para o acto eleitoral e a campanha, como em qualquer outra, começará a endurecer e a corrida ficará mais apertada, esteja quem estiver na frente das intenções de voto. Quem foi a Alvalade no passado sábado assistir à vitória frente à formação sadina, com dois golos do nosso capitão de equipa, poderá ter percebido que já houve duas empresas de sondagens a fazer trabalho de campo junto dos (já) esclarecidos Associados.

Por último – e mais uma vez não menos importante –, a deslocação à casa do eterno rival. Um desempate em tão prematura fase do campeonato, já que os pontos, golos marcados e sofridos são os mesmos, vem a calhar para um tira-teimas em mais uma edição do dérbi dos dérbis. À equipa, como a manchete desta edição o indica, que o sinta na sua plenitude, não regateando a importância que o confronto assume para os dois lados, mesmo tratando-se da terceira jornada. Friamente, são apenas três pontos. Mas serão mesmo só três pontos?

Foto D.R.

Sintam o dérbi

Por Jornal Sporting
22 Ago, 2018

Antevisão ao jogo da terceira jornada, frente ao Benfica, em destaque na edição desta semana

Depois da vitória no passado sábado, dia 18, frente ao V. Setúbal (2-1), os comandados de José Peseiro preparam-se para a invasão ao Estádio da Luz, para defrontar o Benfica, em jogo a contar para terceira jornada da Liga NOS. A edição n.º 3.690 conta-lhe todos os pormenores da preparação para o grande dérbi, aos olhos de José Peseiro, técnico leonino, e Bruno Fernandes, atleta.

Com cinco anos de contrato, conheça também os detalhes da contratação do avançado Diaby e, ainda, as primeiras reacções após a chegada a Portugal. Numa semana ‘à Sporting’, destaque para a conquista do campeonato nacional ActiveBank, pela dupla de voleibol de praia Kibinho/Reis – poster do pódio.

Na passada terça-feira, dia 22, o Pavilhão João Rocha voltou a abrir portas para acolher duas grandes modalidades: futsal e andebol. Numa homenagem a Francisco Stromp, as duas equipas entraram em campo para conquistarem o tão merecido troféu.

A poucas semanas das eleições à presidência do Sporting CP, fique a par das entrevistas aos candidatos ao Conselho Fiscal e Disciplinar de cada uma das sete listas concorrentes.

Estes e outros assuntos no Jornal Sporting desta quinta-feira, amanhã nas bancas.

 

 

Foto D. R.

Leões de ouro

Por Jornal Sporting
16 Ago, 2018

Além da vitória no futebol e da medalha conquistada por Nelson Evora, muitos temas marcam a actualidade leonina

O Jornal Sporting já está nas bancas e coloca em destaque os “leões de ouro”. Desde logo, o novo campeão europeu de triplo salto ao ar livre, Nélson Evora, que conquistou o título que lhe faltava na carreira. Em Berlim, o saltador atingiu a marca de 17,10m e superou a concorrência, trazendo a medalha de ouro para Portugal. Por cá, a equipa de futebol entrou a ganhar na liga, com um triunfo arrancado a ferros em Moreira de Cónegos. Depois de entrarem a perder, os verdes e branco conseguiram uma reviravolta e os primeiros três pontos. Segue-se a estreia em Alvalade.
Há muito mais para ler nesta edição do jornal leonino, nomeadamente uma entrevista ao treinador bicampeão nacional de andebol. Hugo Canela lançou a nova temporada e elogiou a postura competitiva dos jogadores que orienta. O espírito de grupo não podia ser melhor. Nas areias, o futebol de praia continua a vencer e terminou a fase regular na liderança, abordando a fase decisiva da prova com vantagem. Fora do campo, o prazo para a entrega de listas para as eleições de 8 de Setembro já foi ultrapassado, com sete candidatos oficiais na corrida.

Foto D. R.

Sétima onda

Por Jornal Sporting
16 Ago, 2018

Editorial do director interino para a edição n.º 3.689

Não é mito mas também não será totalmente verdade a ideia comum de as ondas descansarem na costa em grupos de sete, sendo a sétima a mais forte. Não é possível prever, com cientifica facilidade, os movimentos dos oceanos e mais especificamente as ondas, que também dependem do vento e, isso sim, é absolutamente imprevisível.
São também sete – como os pecados mortais ou os magníficos de Sturge, versão do velho Oeste de uma das obras primas de Kurosawa, os seus sete samurais – os candidatos oficiais às próximas eleições de 8 de Setembro, já anunciadas pela Mesa da Assembleia Geral leonina, cuja corrida irá determinar o futuro a curto e médio prazo do Sporting Clube de Portugal.
Não há, nesta comparação dos candidatos com as ondas, quaisquer ligações temporais ou circunstâncias, sobre quem foi o primeiro ou último a submeter a lista para apreciação e respectiva validação pelos serviços leoninos, mas tão somente o facto serem exactamente sete e o último ser, efectivamente, o mais forte e aquele que poderá dar ao Clube o melhor desempenho para um 'heat' que se quer vitorioso.
Ao contrário do que se possa pensar – já Henrique Monteiro o tinha referido na entrevista concedida ao Jornal Sporting, na passada edição –, que ter muitos candidatos não é necessariamente prejudicial à escolha que os Sócios terão de fazer. Pode originar (ou não) dispersão de votos, mas aumenta o leque de opções e pode fazer com que mais votos possam cair nas urnas, já que uma das razões mais fortes para a abstenção é precisamente a falta de projectos a concurso que cativem a responsável, heterogénea (como as ondas) e preocupada massa adepta leonina. O período que agora se inicia deverá ser esclarecedor por parte dos candidatos. Há sempre muito em jogo quando se tomam decisões em relação aos comandos do nosso Clube e esta (decisão) compete exclusivamente à família leonina e do que assimilar das ideias que cada um dos sete potenciais a futuro Presidente apresentar. A parte mais relevante não é tanto a apresentação mas o compromisso assumido na execução dessas mesmas ideias. O futebol, por mais mediático e financeiramente relevante que possa ser, não deverá marcar em excesso os debates que se avizinham, até porque é nas modalidades que poderá estar a maior diferença de políticas seguidas, quando comparadas com o que se viveu até aqui e cujos frutos não deixam margem para dúvidas: será mais fácil começar a nomear as modalidades leoninas que NÃO foram campeãs nacionais...
Sétima foi também a medalha de ouro que Nelson Évora conquistou, no passado domingo em Berlim, nos Europeus de pista ao ar livre, curiosamente o título que lhe faltava na carreira. Tudo começou em 2003, quando se sagrou campeão europeu júnior do triplo salto, em Tampere (Finlândia), abrindo caminho para uma carreira que, aios 34 anos, continua a elevar bem alto no nome de Portugal... e do Sporting! Depois de ter sido desconsiderado pelo eterno rival, Nelson encontrou no Sporting, a verdadeira universidade do atletismo nacional, não apenas o seu porto de abrigo, mas o sítio certo para dar continuidade ao trabalho que o próprio sabia que ainda não tinha terminado. Em boa hora, Nelson, que em Alvalde acreditamos e temos sempre lugar para
os fora-de-série. Isto é o Sporting!

Páginas

Subscreva RSS - Jornal Sporting