Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Taxonomy term

Saber cair de pé

Por Jornal Sporting
13 Ago, 2018

Apesar da vitória frente às macedónias, por 4-0, a equipa de futebol feminino não conseguiu carimbar o bilhete para os 16 avos-de-final da UEFA Women’s Champions League. Terminando na segunda posição, com seis pontos

A caminhada já ia longa, mas a vontade de continuar permanecia lá. Infelizmente, a sorte não sorriu à equipa mais audaz do grupo 10. Apesar de conquistarem os merecidos três pontos frente ao ŽFK Dragon 2014 (4-0), as leoas, comandadas por Nuno Cristóvão, viram chegar ao fim, nesta tarde de segunda-feira, o sonho Europeu.

Existiam dois planos possíveis. O primeiro e, certamente, o favorito, passava por terminar a fase de qualificação da UEFA Women’s Champions League na primeira posição. Com essa opcão riscada após a derrota, na primeira jornada, frente ao Avaldsnes (3-2), a equipa de futebol feminino do Sporting lutou, até ao último rugido, pelo plano B: terminarem esta etapa com o estatuto de melhor segundo lugar entre os 10 grupos. Algo que, infelizmente, não se veio a concretizar.

Apostando, novamente, num sistema táctico de 3x5x2, o técnico leonino reforçou a superioridade do meio-campo verde e branco, lançando, na frente, a dupla de ataque: Diana Silva e Ana Capeta. Factor que se revelou certeiro na hora de assinalar os golos.

A garra está no ADN de cada uma das jogadoras, não acredita? Com apenas um minuto de jogo, Rita Fontemanha anteviu aquele que seria um jogo 100% dominado pelas leoas, ao criar a primeira grande oportunidade do jogo.

Negaram-lhe o golo, mas não a assistência. Nove minutos após o apito inicial, Rita Fontemanha cruzou pela direita e serviu Diana Silva que encostou para o primeiro golo do encontro. Cada vez mais integrada no plantel, Sharon Wojcik atreveu-se e, após a assistência de Neuza Besugo, fez tremer o poste de Olgica Arsova (20’).

Tanto insistiu que acabou por marcar. Ao minuto 26, após a assistência de Ana Capeta, Rita Fontemanha levou a bola até à grande área e rematou para o segundo das leoas. Antes do intervalo as adversárias ainda ameaçaram com Julija Zivikj a ser facilmente desarmada pela defesa verde e branca.

No regresso do intervalo, pecando, apenas, pela finalização, existiram oportunidades de golo de todas as formas e feitios. Do pontapé de Sharon Wojcik, ao remate em arco de Bruna Costa, até ao ‘tiro’ ao lado de Nevena Damjanović.

Se há algo que não pode faltar, é o efeito Capeta. Após a assistência de Sharon, a avançada leonina, num remate à meia volta, assinalou, de pé direito, o terceiro golo do encontro (80’).

Ana Borges. Abriu a primeira jornada da competição frente ao Avaldsnes e, agora, fechou a terceira e última jornada frente ao ŽFK Dragon 2014, ao assinalar último golo da competição (90+2’).   

O futuro? Será, certamente, escrito a ouro em páginas de glória.

Foto Mário Vasa

“Só pensamos em ganhar”

Por Jornal Sporting
12 Ago, 2018

Carlyn Baldwin mostrou-se confiante para o jogo de amanhã frente ao ZFK Dragon

A avançado do Sporting CP falou hoje sobre a última partida da fase de grupos da Liga dos Campeões. Com um total de três pontos em dois jogos – derrota frente ao Avaldsnes (3-2) e vitória frente ao Osijek (3-0) – as leoas vão defrontar a formação da Macedónia. “Apesar de ser teoricamente a equipa mais acessível do grupo, nós preparámo-nos da mesma forma e só pensamos em ganhar”, garantiu a americana.

A começar a segunda temporada de leão ao peito, Carlyn aproveitou para fazer um balanço do primeiro ano de Sporting CP. “Competimos e queremos dar sempre o nosso melhor. Pessoalmente, tento ajudar a equipa ao máximo e estou muito feliz por estar aqui. Dou-me muito bem com as minhas colegas e só posso fazer uma avaliação muito positiva até agora”, afirmou a jogadora, que foi agora convocada para a selecção feminina do seu país.

Foto José Cruz

“Não podemos subestimar o adversário”

Por Jornal Sporting
12 Ago, 2018

Na antevisão do jogo frente ao ZFK Dragon, Nuno Cristóvão garantiu uma equipa focado e determinada para a última partida da fase de grupos da Liga dos Campeões

Depois de na sexta-feira o Sporting CP ter vencido o segundo jogo frente ao Osijek, as jogadoras entram amanhã em campo para disputar o possível segundo lugar do grupo frente à formação teoricamente mais acessível. “A equipa da Macedónia [ZFK Dragon] é considerada a menos forte contudo não podemos subestimar o adversário neste tipo de competição. A qualquer momento, encontram um factor motivacional que pode mudar tudo. Esta formação teve um primeiro jogo muito mau, mas esteve bem melhor frente às norueguesas”, explicou o professor Nuno Cristóvão, técnico das leoas.

Com uma segunda partida muito bem realizada por parte da formação verde e branca, o treinador assumiu a importância deste terceiro jogo, falando no foco que será preciso ter para não entrar em facilitismos. “Estes jogos são mais perigosos porque pode haver a tendência de se facilitar mais, mas vamos tentar entrar logo a marcar para ganhar estabilidade e confiança. Esta partida é importante não só pelo segundo lugar, mas também para o ranking do Sporting CP na Liga dos Campeões... É diferente estarmos no pote 3, 2 ou 1”, afirmou o técnico, acrescentando que pode haver alguma gestão do grupo

Sobre o facto de o Sporting CP ter um registo muito equilibrado entre defesa e ataque, Nuno Cristóvão frisou a velha máxima: “Grandes defesas ganham campeonatos, grandes ataques ganham jogos”, realçando a preparação dos processos ofensivos e defensivos. “Estamos mais em trabalho ofensivo do que defensivo, mas procuramos construir logo a partir de trás. Os processos são sempre colectivos e na frente procuramos fazer pressão ainda na zona da baliza. As equipas estarão mais perto de ganhar quando melhor forem os processos realizados em conjunto.”

A formação do Sporting CP joga amanhã às 16h.

Foto Mirko Kappes

"Professor disse-nos que estes são os momentos para mostrar o nosso carácter"

Por Jornal Sporting
10 Ago, 2018

Ana Borges revelou mensagem passada por Nuno Cristóvão antes do jogo, enquanto o técnico comentou "vitória merecida"

Ana Borges e o técnico Nuno Cristóvão analisaram a vitória por 3-0 frente às anfitriãs do Osijek, na segunda jornada do Grupo 10 da UEFA Women's Champions League. A internacional portuguesa, autora da assistência para o primeiro golo da partida (Sharon Wijcok), revelou a mensagem passada pelo míster antes do desafio. 

"O professor disse-nos que seria uma finalíssima e que estes são os momentos para mostrar o nosso carácter. Fizemo-lo, entrando com vontade de ganhar. Sabíamos que do outro lado não iria estar uma equipa fácil, mas soubemos manter a nossa identidade", começou por dizer, abordando ainda a estratégia levada para dentro de campo.
 
"Tínhamos de marcar o máximo de golos possíveis, porque esse factor pode contar no final. Não sofrer também foi importante. O colectivo esteve bem em todos os sectores, sendo que, a nível individual, foi um orgulho fazer uma assistência. Esta é a competição mais importante da modalidade", terminou, dando a palavra ao treinador .
 
Na opinião de Nuno Cristóvão, houve um momento que fez toda a diferença nos 90 minutos. "Foi uma vitória merecida. Há um momento crucial, que foi quando, na primeira parte, a bola não entrou na nossa baliza por dois momentos. O adversário vinha motivado, mas roubámos-lhe a bola, tivemos paciência e fomos felizes", continuou. 
 
"Disse às jogadoras que não havia piores condições para enfrentarmos este encontro. O nome do Sporting CP tem de continuar a ser mostrado por essa Europa fora", concluiu. 
Foto Mirko Kappes

Diana Silva e o 'caminho marítimo' para a primeira vitória

Por Jornal Sporting
10 Ago, 2018

Sporting CP venceu o Osijek por 3-0, na segunda jornada da Champions, com dois golos da avançada

Ao dia 10 de Agosto de 2018, serve a presenta acta para assinalar a descoberta de Diana Silva em Osijek, Croácia: o 'caminho marítimo' para a vitória na UEFA Women's Champions League. A avançada, autora de dois dos três golos com os quais o Sporting CP superou a equipa anfitriã na segunda jornada do Grupo 10, muito 'remou' para que as bicampeãs chegassem a bom porto. 

Mais se acrescenta que Sharon Wijcok foi a primeira a apontar o rumo certo, já que aos 17 minutos concluiu, ao segundo poste, mais uma assistência de Ana Borges. O 2-0 (38') surgiu para que se reiterassem as certezas de que o triunfo não iria escapar, frente a um adversário que a formação leonina dominou sem perder o equilíbrio defensivo.
 
Na etapa complementar, perante a vantagem, o Osijek tentou lutar contra a 'maré', mas seriam mesmo as verdes e brancas a colocar um ponto final nas esperanças contrárias, com Diana Silva a declarar 'triunfo à vista'.
 
 
 
Após este resultado, o Sporting CP, que saiu derrotado na estreia contra as norueguesas do Avaldsnes (3-2), passa agora a somar três pontos e entra na discussão do segundo lugar, que pode dar apuramento para a fase seguinte. Segunda-feira volta a entrar em campo para defrontar o Dragon, da Macedónia, no terceiro e último encontro do grupo (16h). 
 
'Soltem as velas', as leoas ganharam balanço. 
Foto José Cruz

“Se o primeiro era uma final, este será uma finalíssima”

Por Jornal Sporting
09 Ago, 2018

Nuno Cristóvão lançou o jogo de amanhã, do 'tudo ou nada,' na Champions League, frente ao Osijek

Amanhã (19h15) é dia de tudo ou nada do Sporting CP na UEFA Women’s Champions League. Depois do desaire na estreia, frente ao Avaldsnes (3-2), o técnico Nuno Cristóvão deixou bem claro o carácter da segunda jornada, diante das anfintriãs do Osijek.

“Se o primeiro era uma final, este será uma finalíssima. Não podemos pensar de maneira diferente. De uma forma muito clara, só há um resultado que nos interessa esta sexta-feira se quisermos seguir em frente: ganhar”, realçou, antes de explicar os moldes de uma ainda possível qualificação.

“O empate não nos serve, tal como também não serviria se tivéssemos empatado na estreia. É importante as pessoas perceberem estas questões dos factores de desempate. Somando três pontos contra do Osijek, significa três pontos no grupo 10 e no ranking de melhores segundos lugares. Essa é uma possibilidade que tem que ver com os resultados em encontros disputados com o primeiro e o terceiro classificados do grupo. Estando convicto de que a equipa noruega será líder, o resultado entre nós e o Osijek poderá determinar o melhor segundo. Aí, a diferença de golos tem importância”.

Certezas? “Não iremos fugir da nossa matriz”, concluiu.

Foto José Cruz

"Foi um valente murro no estômago, mas isto ainda não acabou"

Por Jornal Sporting
07 Ago, 2018

Após o desaire na primeira jornada da Liga dos Campeões (3-2), Nuno Cristóvão recusou-se a deitar a toalha ao chão

"Foi um valente murro no estômago, mas isto ainda não acabou". Estas foram as primeiras palavras do técnico Nuno Cristóvão após o desaire frente às norueguesas do Avaldsnes (3-2). O míster do Sporting Clube de Portugal recusa-se a desistir da hipótese da qualificação e apontou os erros da equipa na primeira jornada da UEFA Women's Champions League

"O Sporting CP e o Avaldsnes apresentaram modelos de jogo diferentes. Isso ficou bem patente nos 90 minutos. Na minha opinião, fez-nos mal ter feito o 2-1. Deixámos de jogar a partir daí. Faltou-nos maturidade para gerir o encontro em toda a segunda parte. Depois, acabámos por repetir a história do ano passado, em que nos últimos minutos sofremos um golo. Se tivéssemos empatado, tenho poucas dúvidas de que ambas as formações passariam à fase seguinte", sublinhou, admitindo que a derrota desta época na competição internacional lhe custou mais do que na temporada transacta. Nuno Cristóvão explicou os motivos. 
 
"Foi um murro pior ainda do que o do ano passado, porque o Avaldsnes não é tão forte como a equipa do Cazaquistão, com a qual perdemos na época anterior, apesar de serem superiores a nível atlético. Ficámos a dever os três pontos a nós próprios", concluiu.
 
As leoas voltam a entrar em acção na sexta-feira contra as anfitriãs do Osijek (19h15), que golearam esta terça-feira o Dragon 2014 por 13-0.
Foto Mário Vasa

"Conseguimos controlar o Avaldsnes a maior parte do tempo"

Por Jornal Sporting
07 Ago, 2018

Sharon Wojcik lamentou derrota na estreia da Champions (3-2), considerando que o Sporting foi superior

Na opinião de Sharon Wojcik, médio norte-americana de 24 anos do Sporting Clube de Portugal, a derrota (3-2) da equipa na estreia da UEFA Women's Champions League não espelha o que se passou dentro das quatro linhas frente às norueguesas do Avaldsnes. 

"Foi um bom jogo, muito competitivo, contra um adversário bastante forte. Conseguimos controlar o Avaldsnes a maior parte do tempo e manter a posse, mas infelizmente não alcançámos a vitória", começou por dizer. 
 
Apesar da tarefa se ter complicado para as bicampeãs nacionais, que não dependem agora somente delas para passarem à fase seguinte, Sharon não deitou a toalha ao chão. "Este encontro ficou no passado. Vamos pensar nele, no entanto,  mais importante é ganharmos as próximas duas partidas para ainda termos hipóteses de nos qualificarmos", prosseguiu. Para tal acontecer, o Sporting CP tem de esperar que o Avaldsnes - opositor teoricamente mais forte - perca pontos ou terminar os três duelos da qualificação com o estatuto de melhor segundo lugar entre o lote dos 10 grupos.
 
Antes de terminar, a autora do segundo golo, que na altura deu vantagem às leoas, confessou que a sensação de marcar na prova internacional foi incrível. "A Nevena bateu um excelente livre e fui a primeira a reagir. Quando a bola chegou até mim só pensei: 'não falhes!'. Foi uma sensação incrível", rematou.
Foto D.R.

Pedersen no nosso sapato

Por Jornal Sporting
07 Ago, 2018

Cecilie Pedersen entrou aos 87’ e marcou aos 89, ditando a derrota do Sporting CP (3-2) na primeira jornada da UEFA Women’s Champions League

Pedras? Nem no sapato, nem no caminho, até porque a fase de qualificação da UEFA Women’s Champions League é demasiado curta para se ponderar construir um castelo – quatro equipas, três jogos e apenas uma vaga. Contudo, Pedersen apareceu mesmo. E só precisou de dois minutos para causar estragos na estreia do Sporting CP em prova. A avançado norueguesa entrou aos 87’, numa altura em que o encontro estava empatado (2-2), e marcou aos 89’, respondendo da melhor forma (com a cabeça) ao cruzamento de Anna Josendal. Agora, a tarefa das bicampeãs nacionais complicou-se, pois não dependem apenas de si para se qualificarem. Ou seja, em caso de vitória nas duas partidas seguintes (Osijek e Dragon), as orientadas de Nuno Cristóvão continuam a precisar de uma ou duas escorregadelas do Avaldsnes.

O panorama no estádio Grandski vrt escureceu logo a abrir. Sem mais, nem menos – numa altura em que as leoas mostravam bons indicadores iniciais -, Gaille Enganamouit rematou do meio da rua sem pedir licença à justiça da partida e colocou o adversário em vantagem. Neste caso, se Patrícia Morais tivesse asas, também não teria consigo negar as intenções da número 20. Mesmo assim, o Sporting CP permaneceu na mó de cima, exibindo boas dinâmicas ofensivas num sistema táctico pouco utilizado na época passada (3x5x2). A superioridade a meio-campo foi-se revelando importante para roubar a bola às opositoras, estratégia que havia sido lançada por Diana Silva no dia anterior. Aos 24’, foi a própria que ficou muito perto de marcar. Fátima Pinto descobriu-a entre as centrais, a internacional portuguesa trabalhou dentro da grande área, mas a tentativa bateu com estrondo na barra. A contas com a tal justiça, Ana Borges repôs a igualdade perto do intervalo (37’), ainda que o esférico tenha tentado negar o empate às verdes e brancas, uma vez que só depois de tocar no poste se resignou às redes contrárias.

O princípio da etapa complementar revelou-se idêntico ao da primeira… só que ao contrário. Após a cobrança de um livre quase perfeito por parte de Nevena, Sharon provou saber estar no sítio certo e à hora certa (48’) para a recarga. Estava consumada a cambalhota, que no entanto só durou até ao lance mais ‘esquisito’ da primeira jornada do Grupo 10. Cheryl Foster, do País de Gales, mandou repetir o livre a favor do Avaldsnes, sendo que Patrícia Morais calculou mal a sua saída. No ressalto, Waldus apontou o 2-2 de baliza aberta. Os vários momentos da jogada assemelharam-se a um alinhamento cósmico contra o Sporting CP, que se acentuou com a entrada de Pedersen, autora do 3-2 final (89’). Excluída que está a hipótese de se construir o castelo, veremos se será possível descalçar este sapato.

 

Foto Mário Vasa

"Primeiro jogo será uma grande final"

Por Jornal Sporting
06 Ago, 2018

Nuno Cristóvão lançou o encontro inaugural das leoas na fase de grupos da Liga dos Campeões, frente às norueguesas do Avaldsnes

O treinador da equipa principal feminina de futebol, Nuno Cristóvão, fez o lançamento do encontro inaugural das leoas, esta terça-feira, na fase de grupos das UEFA Women's Champions League, frente às norueguesas do Avaldsnes.

"É o primeiro grande objectivo da época. Estamos muito próximos desse primeiro jogo. É ter a consciência de que é um jogo decisivo para o resto da competição. Pode permitir-nos fazer mais jogos ou dificultar-nos essa tarefa de continuar em prova. Ainda por cima contra o adversário mais difícil, mais experiente, que já esteve na fase seguinte da competição. É uma equipa de um campeonato forte. Não há que ter nenhum medo de assumir que será uma grande final".

O técnico que orienta as bicampeãs nacionais conti nuou a análise ao primeiro adversário: "É uma equipa que não tem feito o campeonato como nos anos anteriores. Mudou de treinador no final do ano civil passado. Mudou outra vez, há coisa de um mês. As jogadoras não desaprenderam de jogar. Perderam um ou outro elemento, mas também se reforçaram. Equipas portuguesas já as defrontaram e sabem bem o nível dessa equipa. Têm orçamento que não tem nada a ver. Ainda assim, não são os orçamentos que ganham os jogos. Estamos preparados para amanhã discutir o apuramento para a fase seguinte".

Em relação à sua equipa de leoas, Nuno Crtistóvão acrescenta: "Que joguem o seu jogo. Façam o que é costume. Encarem com alegria, que se divirtam porque é assim que se encaram as finais. É evidente que a competição não acaba amanhã, mas a experiência diz-me que a equipa deste ano é mais experiente do que a do ano passado. Estamos conscientes da responsabilidade que temos".

Páginas

Subscreva RSS - Futebol Feminino